Depressão ou simplesmente: a dor de existir. O que isso significa?

Quem nunca se sentiu tentado a não sair da cama de manhã? 
Tristeza? Melancolia? Baixo-astral? Depressão? 

A alta incidência da depressão

Dizem que o mal do século XX e do começo do século XXI é a depressão, como foi a tuberculose no século XIX. Mas de fato, hoje, pode-se reconhecer a alta incidência de depressão e sua importância clínica. 

A depressão não é simplesmente uma doença, é também um estado de espírito a que todo mundo está sujeito, em maior ou menor espaço de tempo, maior ou menor frequência, sendo assim, ela é um “objeto” palpável da nossa consciência, e, devemos aprender a conviver com ela. O primeiro passo para isso é compreendê-la.  

Compreendendo a depressão

Na depressão, a pessoa fica com o humor inibido, sente-se triste, apática, angustiada, ansiosa. Cai o nível de energia, aparecem o desânimo e a dificuldade de sentir prazer na vida como antes, inclusive sexual. 

Ocorre uma lentidão psíquica e física, paradoxalmente associada ao desassossego quando a ansiedade for intensa. Fica difícil concentrar-se, a memória falha, o raciocínio não flui mais. 

A mente é invadida por uma onda de pessimismo de ideias e de preocupações negativas. Surgem sentimentos de culpa, insegurança, medo, inutilidade, solidão, burrice, inadequação, fracasso, baixa autoestima e falta de sentido na vida. 

Nosso presente, passado e futuro é avaliado de uma ponto de vista negativo e distorcido. Podem surgir pensamentos de morte e alucinações. Ocorrem alterações de apetite e/ou peso. 

O tempo de sono pode aumentar ou diminuir, mas o sono deixa de ser reparador. São muito comuns as queixas de dores e de mal-estar físico, resultando em várias visitas médicas sem sucesso, antes de se diagnosticar a depressão. 

O que é depressão?

Em linhas gerais, a depressão pode ser entendida como um estado de humor disfórico (para baixo), onde ocorre a perda de prazer em quase tudo que se faz. 

Os sintomas podem ser inicialmente psicológicos, como: 

indecisão, irritabilidade, falta de capacidade de concentração, insônia ou hipersonia (dormir demais), sentimento de profunda infelicidade e por aí vão… 

Alguns sintomas psicológicos e emocionais que identificam a depressão são a perda de interesse pela vida, queixas somáticas, lentidão mental e motora, falta de energia, perspectiva de futuro bloqueada. Perceba que esses sintomas clássicos são, na maioria das vezes, mascarados por outras condições, tais como fobias, insônia e abuso periódico de álcool. 

Depressão e nossos dias

As pessoas da sociedade atual são mais vulneráveis à depressão do que nossos antepassados, devido ao estresse, vida agitada, excesso de atividades, por isso, uma incidência tão grande nos dias atuais. 

Seria interessante neste momento, cada um de nós pararmos um pouco e refletir: o que mudou tanto nesse mundo, nessa sociedade, a ponto de formar pessoas depressivas, desde a infância até a velhice? 

Não estou lhes dando a resposta, pois eu também não a tenho, infelizmente, mas nota-se que as mulheres estão em maior risco de ansiedade e depressão do que os homens, e que uma grande porcentagem de mães apresenta depressão de leve a moderada. 

As mulheres descrevem maiores níveis de experiências depressivas associadas com assuntos de dependência, assim, sentem um maior desejo de serem amparadas. Em ambos os sexos, a intensidade do desejo de ser amparado está relacionada com a dependência. 

Você deve estar pensando: “Dependência? Dependência de quê? De quem?”. 

Mais um momento para reflexão! Pense…

Este é um ótimo exercício para livrar-se e prevenir-se da depressão. 

Depressão: Ter ou Não Ter? 

Ao ler o título acima deve vir-lhe a cabeça: esse sujeito é maluco! Seria possível escolher ter ou não depressão? 

Calma, deixe-me explicar!

Podemos sim, prevenir a depressão, quando não a temos, e reduzir muito seus sintomas quando a temos, com medidas simples, mas que parecem uma tortura para quem tem depressão. 

Vou falar um pouco sobre elas, sem, é claro, ter a pretensão de dar-lhes uma lista de dicas para livrarem-se da depressão, como fazem em geral as revistas, com suas dietas milagrosas.

Lembra quando falei no começo deste artigo sobre “aquela vontade de não levantar da cama”? Pois então, esse é o primeiro passo: “LEVANTE”! Procure algo para fazer, algo que possa lhe trazer prazer. 

Aqui podemos fazer uma paralelo com a lei da física que diz “um objeto que está parado, tende a permanecer parado, e um objeto que está em movimento, tende a permanecer em movimento”. 

É isso mesmo, quanto mais parado você ficar, mais vontade de ficar parado você terá. Uma opção interessante neste caso é praticar exercícios físicos, de preferência exercícios aeróbicos, além de movimentar seu corpo, você movimentará seu cérebro, que passará a produzir neurotransmissores que amenizarão muito os sintomas depressivos. 

Quais são esses neurotransmissores? São muitos, não temos espaço suficiente para falar deles, então, pesquise, não fique aí parado!

A ajuda profissional

Quando se tem depressão é muito importante procurar um profissional especializado para tratá-la. Sabe aquele médico (não especialista) que “lhe” receita antidepressivos ou remédios para ansiedade, pois é, este com certeza não está habilitado para te ajudar. 

O médico que trata depressão é o psiquiatra, não tenha medo de procurar um, garanto a vocês que eles não mordem. Os psiquiatras já foram vistos como médicos para loucos, malucos. Isso é muito antigo! 

“Pronto, procurei um psiquiatra, ele me receitou algumas medicações, agora é sentar e esperar fazer efeito!”. MENTIRA! Infelizmente ainda não inventaram a pílula da felicidade, portanto, apenas tomar medicação não te tirará do estado de depressão, o medicamento é apenas um auxiliar, novamente tenho que dizer: “LEVANTE” “MEXA-SE”. 


Infelizmente alguns médicos não encaminham seus pacientes depressivos para psicoterapia, o que é fundamental para o tratamento. É preciso olhar para dentro, reavaliar, repensar, mas a maioria dos médicos psiquiatras indica um tipo de psicoterapia, mas o paciente está tão ocupado em ficar parado, deitado, estagnado, com pena de si mesmo, que não encontra tempo para tratar-se de verdade. 

 

A psicoterapia nada mais é do que um processo de autoconhecimento, ou seja, quando você se conhece melhor, sabe como vai lidar melhor com seus  problemas, com atitudes concretas e não com lamentações. 

Sempre que puder, procure um psicólogo, mais uma vez lhes garanto, nós também não mordemos, somos pessoas comuns como você, não temos poderes especiais, nem somos donos de supostas “mágicas” como dizem por aí. 

Dentro da psicologia existem muitas abordagens, certamente você se adaptará a alguma delas, existem muitos profissionais da psicologia que podem lhe ajudar e você tem o direito de escolha o que é o mais importante.

Poderia eu citar aqui uma infinidade de atitudes que você poderia tomar para prevenir-se da depressão, ou para sair de um estado depressivo, mas não temos espaço suficiente, o artigo teria que ter mais duzentas páginas para falarmos somente disso. Posso somente te dizer: NÃO FIQUE AÍ PARADO, O PROBLEMA TEM SOLUÇÃO, BASTA VOCÊ CORRER ATRÁS! 

Por fim, para você que tem medo de fazer terapia, vou citar um “Decreto”.

“Pois fica decretado que a partir de hoje terapeuta é gente também. 
Sofre, chora, ama, sente e às vezes precisa falar. 
O olhar atento, o ouvido aberto escutando a tristeza do outro, 
Quando às vezes a tristeza maior está em seu peito. 
Quanto a mim, fico triste, fico alegre e sinto raiva também.
Sou de carne e osso e quero que você saiba isso também. E agora, que sabe que sou gente, quer falar de você pra mim?”

 

Rafael Leitoles Remer, Psicólogo CRP:08/09332

www.psicologiaviva.com.br/psicologos/remer

Rafael Leitoles Remer

Olá! Que bom que você chegou até aqui! É o seu primeiro passo para o autoconhecimento! Me chamo Rafael, sou psicólogo analítico e trabalho com a psicologia clínica a 17 anos. Considero o processo de psicoterapia um grande processo de autoconhecimento, não é algo complicado, pelo contrário, a final, quanto mais você se conhece, melhor saberá lidar com os seus problemas, sentimentos e inquietudes também. Mergulhe nesse processo comigo! Lhe garanto que psicólogo não é aquele ser complicado e teórico que pintam nos filmes por aí. Sou gente, de carne e osso como você e, claro, também tenho meus problemas... isso é muito bom, porque assim, desenvolvo a empatia, ou seja, consigo me colocar no lugar do outro e tentar enxergar os problemas com os olhos dele, assim posso ajudar ainda mais! E aí, agora que sabe que sou gente, quer falar um pouco de você pra mim? Tem alguma dúvida? Quer conversar um pouco antes de marcar sua sessão? Entre em contato agora pelo what'sapp (41) 99182-1966 “Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana.” C.G. Jung
Rafael Leitoles Remer

Últimos posts por Rafael Leitoles Remer (exibir todos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *