Ansiedade: esse fantasma que às vezes nos visita

Podemos associar a ansiedade como “querer” agora, de forma imediata, o que virá num processo de evolução. Deixamos de raciocinar que tal evolução irá nos oferecer resultados em etapas. 

Ainda assim desafiamos nossa humanidade de forma mais que agressora e nos cobramos indevidamente, gerando sofrimento psíquico, criando campo para sintomas físicos e que quando se tornam frequentes vão gerando um quadro específico de doença.

Quem conhece o ditado: “o apressado come cru” entende a ideia de que algo para se consolidar precisa maturar, evoluir. Isso requer compreender que há uma trajetória. É um dos indicadores para o afastamento do trabalho, conflitos familiares e conjugais, e relação com a vida como um todo. A constante irritação e a sensação de que está sempre defasado.

Qual o sentido disso na sua vida?

Mas qual seria o sentido de você se tratar tão mal? Se considerar isso talvez entenda que há algo para dimensionar melhor em sua vida. Indo no foco da questão que gera tal estado.

Cultivar a ansiedade é perder consistência na ação; pela sucessiva produção de imagens mentais e sintomas físicos que são vividos levando a baixos índices de desempenho, capacidade e potencial. Ao mesmo tempo que reduz o desenvolvimento de novas habilidades.

Consequências 

Muito tem se estudado a respeito dos efeitos nocivos da ansiedade, pois ela cria a sensação de defasagem na pessoa, assim como cria realidades que são fantasiosas e exatamente por isso são tão assustadoras. 

São fonte de boicotes à iniciativa pois reduzem a criatividade, paralisando a ação. E é para isso que ela serve.

Decida a quem você vai servir! Será em prol da sua evolução? Ou em prol desse fantasma ansiedade, que às vezes te visita e tende a crescer se você permitir o seu avanço e não o paralisar antes que ele tome conta da sua vida. 

Se trabalhar e servir à ansiedade, esta irá te reger. Dará espaço a algo que luta contra você mesmo, sendo um boicote ao seu potencial. E em nada traduzindo o que pode realmente realizar!

 

Luiza C. de Azevedo Ricotta Desde 1989 atuando como psicóloga de adultos, desenvolvendo recursos em pessoas que passam por situações críticas, desafiadoras e sensíveis da vida; e, requer um acompanhamento apurado e profissional para um melhor direcionamento do problema. Terapeuta de família Sistêmica, Mediadora de Conflitos e Coach em questões profissionais. Escritora com 12 livros publicados no segmento autoconhecimento, psicologia do cotidiano, educação, preparação em concursos e exames; psicologia criminal. Profa. Universitária em cursos de pós graduação presencial e EaD. Atendimentos online e presencial em São Paulo, capital.

                                        

LUIZA RICOTTA

Desde 1989 atuando como psicóloga de adultos, desenvolvendo recursos em pessoas que passam por situações críticas, desafiadoras e sensíveis da vida; e, requer um acompanhamento apurado e profissional para um melhor direcionamento do problema. Terapeuta de família Sistêmica, Mediadora de Conflitos e Coach em questões profissionais. Escritora com 12 livros publicados no segmento autoconhecimento, psicologia do cotidiano, educação, preparação em concursos e exames; psicologia criminal. Profa. Universitária em cursos de pós graduação presencial e EaD. Atendimentos online e presencial em São Paulo, capital.
LUIZA RICOTTA

Últimos posts por LUIZA RICOTTA (exibir todos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *