carencia-afetiva

O que é carência afetiva? Saiba como tratar

Todo mundo precisa de atenção e carinho. Eles fazem parte da existência humana e são fundamentais para que se possa viver de modo feliz.

Uma pesquisa do Ibope mostrou resultados alarmantes: 28% da população brasileira diz não ter recebido carinho na vida, enquanto 21% afirma jamais ter dado carinho a qualquer outra pessoa. Esses são dados ajudam a entender o por que de tantas pessoas atualmente sofrerem de carência emocional.

Certamente você já deve ter notado como algumas pessoas acabam se tornando emocionalmente dependentes de outra, mas isso é uma condição que acaba trazendo mais malefícios do que benefícios.

Muitas pessoas têm enfrentado esse problema, que afeta homens e mulheres das mais variadas idades. Boa parte da população acredita não estar recebendo o amor necessário em sua vida.

Este é o sintoma característico de dependência emocional extrema, causado pela carência afetiva.

Você costuma sentir solidão mesmo quando há várias pessoas ao seu redor? Muitas vezes você se sente para baixo e desiludido? Se sua resposta é sim para essas perguntas, você precisa saber mais sobre o que é carência afetiva.

Neste artigo, iremos mostrar que por mais que você sinta isso ou que você conheça alguém que sente carência, é possível mudar e contornar esse sentimento.

O que é carência afetiva?

Todos têm carência afetiva em algum nível, mesmo aqueles que parecem mais frios também a possuem.

Mas quando essa carência entra em um nível muito alto, surgem as cobranças e o medo excessivo de ser rejeitado.

É o que chamamos de Dependência Emocional Afetiva. Esse sentimento acaba sendo um peso para ambas as partes dentro de um relacionamento, uma vez que nenhum dos dois conseguem suprir as expectativas.

O perigo aqui é ficar vulnerável à pessoas oportunistas e relações problemáticas; porque esta pessoa está tão mergulhada na carência que quando chega uma pessoa sedutora ela não conseguirá perceber o perigo de estar entregue a alguém assim.

Como o problema se desenvolve?

A carência emocional afetiva pode ser desenvolvida logo nos primeiros anos de vida e durante a infância, sendo relacionada às relações mais primárias que uma criança tem com as pessoas, em especial com os seus familiares.

O que fazemos na vida é repetir as experiências que registramos desde a infância. A forma como recebemos os afetos ou não, será reproduzido no mundo em que vivemos.

Afetividade está em tudo: na comunicação, nas relações, no trabalho, etc. Isso porque todos nós precisamos nos completar com pessoas e situações externas.

O problema se dá quando se acredita que isso só será possível se o outro, e somente ele, pode me oferecer afeto, ou seja, eu deposito no outro esta responsabilidade de me completar.

Se me desenvolvo, entendo quais os recursos que tenho, percebo minhas habilidades e alimento-me de minhas experiências; isso aumenta minha autonomia e independência. Só assim consigo me relacionar de forma mais saudável. O outro não vem para me completar, e sim: complementar.

Muitas crianças acabam se sentindo abandonadas e até mesmo isoladas, e isso acaba sendo um evento bastante traumático. Todos esses fatores impacta de um jeito ou de outro na forma como a pessoa se relacionará com outras na vida adulta.

Mas esse não é o único motivo que pode levar uma pessoa a desenvolver a dependência emocional, ela pode surgir a partir de um episódio de atenção excessiva onde recebe muito amor e carinho, fazendo com que ela acredite que precisa de tudo isso para que possa realmente ser feliz, mas o que acontece é exatamente o contrário.

Ser dependente emocionalmente, acaba gerando cobranças excessiva em relação a outras pessoas, em especial no relacionamento. A dependência não ocorre somente em relação aos sentimentos, mas também em relação a todas as outras atividades corriqueiras.

Essa carência costuma surgir ainda na infância, com as relações primárias. Quando a criança não recebe atenção suficiente, passa por episódios de rejeição e abandono, ou interpreta de forma traumática algum fato em sua vida, isso provavelmente vai influenciar suas relações na fase adulta.

Por outro lado, a pessoa pode desenvolver esta carência quando recebe cuidados em excesso, gerando a sensação de dependência nas atividades corriqueiras e até mesmo com relação ao amor, fazendo com que ela acredite que sua alegria sempre depende de alguém.

Quais são os sintomas de carência afetiva?

Se você está passando por momentos em que acredita haver ausência de amor ou sente a necessidade de atenção, vale a pena observar melhor as características que listamos a seguir, já que elas são típicas de quem sofre de dependência afetiva.

  • Submissão extrema às pessoas;
  •  Medo de desagradar;
  • Crença de que a felicidade está condicionada à outra pessoa;
  • Ciúme excessivo;
  • Viver em função dos sonhos do outro;
  • Não ter planos nem perspectiva para a própria vida;
  • Medo da solidão;
  • Sentimento de inferioridade;
  • Necessidade de chamar a atenção das pessoas.

Submissão extrema às pessoas

A submissão é o ato de se submeter às vontades de uma pessoa, mesmo que elas acabem indo contra a sua próprio vontade. Por muitas vezes é comum que uma pessoa submissa seja considerada educada, mas educação está muito longe da ideia de submissão. 

Um pessoa submissa acaba sentindo-se humilhada, uma vez que ela se sujeita a tudo o que a outra pessoa pede, sem questionamento ou tentativa de impor suas vontades e pensamentos.

Alguém que se encontra em um relacionamento e se depara com um parceiro submisso, logo é tomado pelo sentimento de desconforto, isso porque quem adentra em um relacionamento não espera submissão, e sim, amizade e parceria. Além disso, encontrar alguém disposto a fazer suas vontades sem ao menos questionar, pode ser considerado algum ruim.

Muitas vezes o submisso não tem consciência de que está abrindo mão de suas necessidades, tudo para que ele não perca seu objeto de amor.

Medo de desagradar

Outro indício que fica em bastante evidência, está relacionado com o medo de desagradar a outra pessoa, isso tem a ver com o fato de que o dependente emocional faz todo o possível para agradar o outro. A pessoa com carência emocional visa oferecer tudo de melhor, pois acredita que se desagradar, acabará perdendo seu parceiro.

É comum quando se gosta de alguém, não querer desagradá-lo; mas quem sofre de carência afetiva sente essa necessidade em nível extremo e até ao ponto do doentio.

Crença de que a felicidade está condicionada a outra pessoa

Muitas pessoas que sofrem com a carência emocional afetiva, acreditam que sua felicidade deve-se exclusivamente a uma única pessoa, sendo que sem ela, a felicidade não seria possível.

Ao contrário de pessoas que veem felicidade em pequenos momentos da vida, seja em uma ida ao parque ou uma reunião com os amigos, o carente só é capaz de ver isso quando a pessoa amada está ao seu lado.

É como se ela colocasse a outra em um grande pedestal e em todos os grandes acontecimentos de sua vida, o carente relaciona a outra pessoa.

Ciúme excessivo

O ciúme excessivo, também considerado patológico, caracteriza-se pelo exagero sem motivo aparente que o provoque, deixando o ciumento absolutamente inseguro e transformando-o num tremendo controlador, cerceador da liberdade do outro, muitas vezes restringindo qualquer atividade que o parceiro queira fazer sem que ele esteja presente

Este é mais um dos indícios que vêm sempre acompanhado de quem tem carência ou dependência emocional, isso porque tem-se o sentimento de posse em relação a outra pessoa. O problema é que a pessoa não se dá conta de que o ciúme excessivo em muitos casos é responsável por fazer com que o outro sinta-se desconfortável e chegue até mesmo a terminar o relacionamento com ela.

Viver em função dos sonhos do outro

Viver para realizar os sonhos dos outros e não os seus próprios sonhos, isso porque a pessoa carente não se preocupa com ela mesma, mas com a pessoa com a qual ela tem essa dependência emocional.

Em uma relação sempre é necessário ter espaços para que cada um possa ser quem realmente é, e estabelecer limites de forma a não se anular em função do outro, o que não acontece nas relações onde um dos parceiros é um dependente emocional.

Não ter planos nem perspectiva para a própria vida

Não é comum que as pessoas que têm carência afetiva tenham uma perspectiva de futuro para suas próprias vidas, elas aceitam o rumo que a vida lhes proporciona. Além disso, eles só conseguem ver um futuro ao lado da pessoa amada.

Medo da solidão

A solidão é acompanhada de um sentimento de desamparo e desconexão com o ambiente, ou seja, tudo que o carente emocional procura fugir. Quem é dependente emocionalmente, não consegue se ver sozinho, isso porque tem medo da solidão e não consegue lidar com este sentimento.

Ela não consegue encontrar felicidade estando sozinha, precisando sempre de alguém para ser feliz.

Sentimento de inferioridade

A inferioridade é um sentimento presente relacionado a pessoas carentes, isso porque elas acham que nunca encontrariam outra pessoa em suas vidas e que não é tão boa quanto a outra.

Quando se elege alguém, as expectativas ficam todas ali. Provavelmente esperou tanto os olhares dos pais para ter o suporte afetivo. Depende que outros reconheçam, têm dificuldade de lidar com a crítica

Necessidade de chamar a atenção das pessoas

Por se sentir sempre carente e sozinha, a pessoa sente a necessidade de ter a atenção voltada para si, fazendo todo o possível para conseguir a atenção desejada.

Como se livrar desse mal?

Uma vez que você conhece melhor os sintomas da carência afetiva, é importante começar a agir para se livrar do problema. Em primeiro lugar,  você precisa buscar estar bem consigo mesmo. Ninguém deve condicionar a sua felicidade às outras pessoas. Quem faz parte da sua vida deve estar ali para acrescentar, e não para suprir suas carências.

Busque melhorar como pessoa, reconheça suas qualidades e as valorize, mas saiba que todos temos nossos defeitos, isso é comum. Aprenda a lidar com suas limitações e não se diminua por esses motivos, mas ame-se do jeito que você é.

É importante também que você consiga manter um bom relacionamento com todos a sua volta, sabendo que existem várias expressões de amor. Por isso, você não deve focar todas as suas atenções somente em uma relação. Comece a observar o quanto as pessoas gostam de você, mesmo que tenham formas diferentes de demonstrar seus sentimentos.

Como essa dependência amorosa surge pela necessidade de suprir a falta de amor próprio, o segredo para vencê-la está na capacidade de agradar a si mesmo. Sendo assim, se esforce para isso, elogiando-se, reconhecendo-se como uma pessoa capaz e cheia de qualidades e sabendo valorizar as próprias conquistas.

Aprenda a aproveitar momentos sozinhos

Por ser uma pessoa carente emocional, tende a esquecer de aproveitar momentos sozinho.

Um dos passos mais importantes antes de se entrar em um relacionamento e deixar-se cair na dependência emocional, é saber aproveitar alguns momentos sozinhos. Não se pode querer ser completo com alguma pessoa, se você mesmo não se sente completo consigo.

Aproveite e tire um momento para você, faça as coisas que te alegra, vá ao cinema, ao parque, aprenda a desfrutar de sua companhia.

Valorize-se e ame-se

Normalmente a dependência pode levar ao término de um relacionamento e isso pode te levar a momentos de extrema tristeza, procure fazer atividades que vão te valorizar e te fazer sentir bem consigo mesma. Descubra qualidade em você que te façam especial, volte a valorizar suas atividades.

Aprender a se amar é mais do que importante, é fundamental para que você não tenha que viver e depender do amor de outra pessoa. O amor é algo que deve partir de você, para que você se sinta satisfeito com o seu próprio amor.

Não se envolva com alguém até que esteja pronto.

Muitas pessoas acabam saindo de um relacionamento com o sentimento de tristeza e chateação, e logo em seguida acabam engatando em um novo relacionamento. Permita-se dar um tempo, a fim de se recuperar da dependência emocional gerada pelo relacionamento anterior, e somente então, pensar novamente em contrair um novo relacionamento.

A pior coisa que você pode fazer é não dar esse tempo tão precioso, isso porque você irá levar os mesmo erros do relacionamento passado e novamente se tornará dependente de uma outra pessoa, trazendo os mesmo problemas mais uma vez.

Procure ajuda

Se você já sabe que tem ou que sofre de carência emocional é difícil passar por tudo isso sozinho, admita que tem problemas, mas mais do que isso, procure ajudar, pois de nada adianta saber que tem um problema que lhe causa tanto mal e frustração, sem que se procure resolver o problema.

Acontece que ainda é comum as pessoas pensarem que só ‘loucos’ se consultam com tal tipo de médico.

As pessoas não valorizam a saúde mental e isso pode trazer um problema atrás de outro, portanto consulte-se com um médico, ele poderá te ajudar nesta jornada.

Vencer esta situação pode ser mais fácil do que você imagina. Por isso, não hesite em procurar ajuda especializada de um psicólogo. Com certeza este profissional vai te auxiliar a descobrir a origem do problema e te indicará o caminho para que você consiga virar o jogo.

Como lidar com carência emocional?

Tanto a pessoa que sofre com a carência emocional, como as pessoas que estão ao seu redor não sabem como lidar com a carência emocional. Normalmente, para lidar com a carência emocional, é sugerido atividades que possam ocupar sua mente, e que visem mostrar que a pessoa pode ser sim feliz sozinha e que não depende tanto assim de outra.

Exercite-se!

Fazer exercícios pode ajudar a lidar com vários problemas e situações, isso porque enquanto você pratica uma determinada atividade física, tende a ficar concentrada somente naquela atividade, seja ela andar de bicicletas, jogar bola, etc.

Também é importante que tais atividades sejam praticadas ao ar livre, isso porque ajuda a liberar hormônios do bem-estar, que permitirão que você desempenhe o seu dia com boas sensações.

Olhe para as outras coisas boas da sua vida

Não é porque você sente que só é feliz com uma determinada pessoa que isso é verdade, nesse momento procure parar, respirar fundo e olhe os demais pontos da sua vida, procure por outras coisas boas que há em sua vida.

Muitas vezes o seu filme favorito está no cinema, ou uma promoção no emprego, esse pensamento te ajuda a afastar o foco da outra pessoa, mostrando que você pode sim ser feliz sem depender de outra pessoa.

Valorize-se!

A sua auto valorização é um item importante, ela está presente em todas as fases para melhorar situação de alguém que sofre com a carência emocional, esse é um dos pontos chaves para quem busca verdadeira mudança.

Procure as coisas que você gosta em você, dê a si mesmo o devido valor, não se humilhe e nem seja submisso a outra pessoa. Você, assim como todo mundo, tem o seu valor e você deve aprender a se amar como a pessoa que é, com defeitos e qualidades.

Do que adianta estás em um relacionamento, se se sente um lixo? Você não pode esperar que a outra pessoa sempre te valorize se nem você consegue fazer isso.

Você que leu o artigo, se identificou? Se sim, talvez seja o momento para você procurar um profissional. Marque sua consulta agora mesmo e comece uma nova vida com mais amor por você mesmo!

Gostou de entender o que é carência afetiva? Compartilhe esse texto em suas redes sociais.

Katia Vega Kestenberg

Katia Vega Kestenberg

Tenho 25 anos de formação em Psicologia, na área clínica, Recursos Humanos e Coaching nas empresas e para profissionais em transição de carreira ou desenvolvimento.

Atendo na abordagem de Terapia Cognitivo Comportamental especialmente ADULTOS com TDAH, ansiedade, problemas de relacionamento afetivo, familiar e profissional, bem como problemas de auto estima e autoconfiança.

Você vai fazer uma entrevista e não sabe como se apresentar e sair bem nela? Tem um currículo desatualizado ou nunca fez um? Quer montar sua rede de contato ( networking ) e trabalhar bem na suas redes sociais como o Linkedin?

Eu posso te ajudar nisso. Entre em contato agora e descubra como!
Katia Vega Kestenberg

20 thoughts on “O que é carência afetiva? Saiba como tratar

      1. Não sou psicólogo mais amo a piscologia;leio sempre os postulados de Sigmund Freud;e sempre ajudo pessoas com os estudos pessoas que a piscologia e claro amigos psicólogos e os sites que falam da piscoligia;assim como esse!um dia quero estudar de verdade piscologia

  1. Excelente, tenho conhecimento da minha carencia emocional , sei onde surgiu, na infancia, falta do amor de pai transferi isso tudo para o companheiro, nao sei lidar com essa carencia.

  2. Eu aos trinta e quatro anos mãe de quatro filhos, ainda me sinto só, mas eu reconheço o meu problema, porem não suporto isso mais, tenho nojo de mim por isso, detesto meu jeito de agradar por medo da rejeição, eu sempre deixo de fazer o bem pra mim, pra fazer favor pros outros. Não consigo dizer não. E TB não tenho planos, sonhos, foi a partir dai que percebi que tinha algo errado, pois sempre estou tentando ajudar os outros a realizar seus sonhos, mais eu mesma nada. Muito bom esse site.

  3. Ola excelente articulo, eu tenho este problema e quero superar e creyo que es porque no tive uma familia un pai e Una mae que asumi o papel de mae eu que fiz este papel Con ela e sempre ajudando e agradando a todos meu matrimonio s sido roto mi ex Marido mi maltrato pisicologicamente e minha mar igual,hoje estou buscando ajuda para aprender a ligar Con esta carencia me paso muitas coisas tenho tres filhos pequeños mi ex me abandono Con 20 días de parida faz un año tive muitos maltratos pisocologico necesito muito ajuda vivo en españa estou sozinha Sen familia Re apoio de ninguen so de estraños e buscando ajuda para vivir Con mis filhos no sei cómo funciona buscar ajuda no site porque no posso consulta Presencial.obrigada e sigue Enviado articulo para poder nos ajudar estou pasando nada facil na minha Vida obrigada

  4. O interessante é que essa suposta doença, têm características próprias de quem esta apaixonado.Quer dizer que agora, eu não posso confessar minha paixão por alguém, nem dizer e elogiar as qualidades dela, e por conta desse sentimento de amor, dizer que preciso dela, sem ser taxado de doente? A impressão que me dá, é que ficam inventando doença para fomentar os respectivos setores na medicina.Será que tudo isso tem haver com o governo que atua a alguns anos no Brasil?

    1. Prezado Vanildo, o conteúdo textual não repreende o fato de declarar-se apaixonado por alguém ou elogiar o mesmo, entretanto o texto alerta para os excessos emocionais que por vezes denotam uma ausência extrema. Nós do Psicologia Viva não temos ligação alguma com o Governo e nem fomentamos a indústria da medicina, a única coisa que nos preocupamos é em levar conteúdo de qualidade para nossos leitores e com isso podermos promover um pouco mais sobre a saúde mental e emocional.

  5. GOstei muito do conteúdo, tudo se encaixa,na minha personalidade,sou muito solícita mas não porque sinto que alguém não me aceita,mas gostaria de saber que nada da certo ou melhor tenho muitos planos mas não concretizo,gostaria de ajuda para manter minha alta estima em alta,pois gostaria de seguir em frente com algum projeto,mas quando comento com alguém tudo vai pra água àbaixo,como lidar com esta situação.

    1. Olá Maria, que bom que gostou do texto! Nós do Psicologia Viva nos preocupamos em trazer materiais de qualidade para nossos leitores. Pelo seu relato o ideal seria conversar com um de nossos psicólogos da base, pois são profissionais amplamente capacitados para te ajudar da melhor forma possível, para isso acesse o link: https://www.psicologiaviva.com.br. Nós do Psicologia Viva esperamos que tudo ocorra bem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *