Descobrindo os próprios talentos: o caminho da autorrealização!

A taxa de desemprego no Brasil ficou em 12,4% no trimestre encerrado em fevereiro, atingindo 13,1 milhões de pessoas, segundo divulgou nesta sexta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O número representa mais 892 mil pessoas desocupadas no país. 29 de mar de 2019

Pensando nesta realidade decidimos dedicar um espaço semanal neste Blog para disponibilizar ferramentas de desenvolvimento pessoal e profissional que envolve todas as etapas da busca por trabalho, seja ele formal ou não.

E hoje, segunda feira, como todas as demais, a Psicóloga e Coach Elaine Poltronieri apresentará uma publicação relacionada ao tema.

Descobrindo e valorizando os próprios talentos

“Meus singulares talentos e habilidades criativas fluem através de mim e se expressam das maneiras mais gratificantes”. Louise L. Hay

Certa vez…

Um velho monge e seu discípulo costumavam visitar pessoas que viviam em lugares afastados da cidade. Numa destas visitas, já anoitecendo, avistaram um sítio. Como precisavam pernoitar encaminharam-se até a casa e pediram abrigo para descansarem aquela noite.

Tudo ali era muito simples. Lá viviam um casal e três filhos. Todos da família tinham aparência modesta e pouco saudável. Embora a situação fosse precária, eles abrigaram os visitantes.

Na hora do jantar foi servido um mingau de leite com farinha. O Monge perguntou:

– Não vimos por aqui sinais de comércio nem plantações, como vocês custeiam o sustento da família?

Foi o Pai quem respondeu:

– Ah, nós contamos com a ajuda de uma vaquinha. Ela nos oferece diariamente litros de leite. Além de vendermos alguns litros também trocamos alguns, lá na cidade, por mantimentos e outras coisas que necessitamos. Também fazemos queijo, coalhada e vendemos. Assim vamos vivendo! Aqui ninguém sabe plantar e além do mais, acreditamos que esta terra não é boa mesmo, tudo aqui é muito difícil! Ai de nós se alguma coisa acontecer com nossa vaquinha!

Ao amanhecer os visitantes receberam, cada qual, um copo de leite quente. Agradeceram por terem sido abrigados e partiram. Quando saiam do local, o mestre pediu que o discípulo jogasse a vaquinha precipício abaixo. O aprendiz, perplexo e chocado com a atitude desumana do mestre, indagou:

– Como posso dar fim na única fonte de renda dessa família?

Resistiu um pouco, mas cumpriu o pedido do mestre. Depois de alguns anos, o discípulo estava viajando sozinho pela mesma região. Lembrou-se da família que dera hospedagem a ele tempo atrás, decidiu encaminhar-se ao sítio para ver como as coisas estavam. Assim que chegou ao local, ficou surpreso, porque o lugar não guardava nenhuma semelhança com o sítio que conhecera anos atrás. Nem os habitantes pareciam os mesmos! Quando a família se aproximou ele pôde constatar que era a mesma família, mas estavam bem diferentes, as crianças agora já praticamente adolescentes, estavam coradas, saudáveis, bonitas. Os pais irradiavam felicidade. Tudo mudou para melhor, havia horta, frutas, galinhas e outros animais passeavam pelo sítio. O visitante não acreditando no que via perguntou:

– Como vocês progrediram tanto?

Com muita alegria e satisfação eles responderam:

– Quando vocês pediram abrigo aqui, nossa situação não era lá muito boa, e piorou muito quando nossa única fonte de renda, que era nossa vaquinha, morreu. Uma tragédia, logo depois que vocês foram embora, encontramos a vaquinha morta lá embaixo no precipício. Ficamos desesperados e daí em diante, precisamos fazer outras coisas, ganhar dinheiro de outra forma. Acabamos descobrindo que nossa terra era boa, os legumes e frutas cresciam em abundância e aos poucos fomos gostando de plantar. Hoje como você mesmo pode ver, é essa beleza! E tudo isso aconteceu graças à perda da nossa vaquinha.

Fim da história!

Como identificar quando algo não vai bem?

Esta história nos ajuda a refletir sobre os aspectos de nossa vida que não estão como gostaríamos que estivessem. A vida sempre envia sinais quando algo não vai bem. Algumas vezes não os percebemos. Eles podem aparecer de diversas maneiras, como um sentimento ou uma sensação diferente do que estamos acostumados, uma percepção de que algo está errado.

Pode surgir como um súbito mal-estar, uma dor repentina que se torna crônica ou ainda algo mais forte como um acidente, depende da intensidade da mudança que está ocorrendo na vida e que ainda não foi  percebida. A vida, com sua infinita sabedoria, “joga nossa vaquinha no precipício”… e aí não tem jeito, bate aquele desespero, a revolta, a sensação de fracasso, de derrota, ou a pior de todas elas, a desesperança.

Quando nos aquietamos e ficamos em profundo silêncio, quando nos recolhemos, escutamos a voz da nossa alma e as batidas de nosso coração, conseguimos perceber o quanto estamos nos desviando do caminho que nos levará à autorrealização e nos fará sentir que temos um lugar neste mundo. Um lugar único e exclusivo, reservado para nós.

Quando viemos a este mundo, trouxemos uma pequena e preciosa bagagem que vamos carregar até o dia que nosso corpo físico se despedir deste lindo Planeta. Para que pudéssemos carregar esta bagagem ela precisava ser pequena, para caber em nosso corpo ainda no ventre materno.

Nós e os nossos talentos

Ah! Ela é nossa única e maior riqueza! São nossos talentos! Como pequenas sementes que precisam de adubo, luz, água e amor, elas crescerão, formarão raízes profundas e no seu esplendor nos alegrarão com lindas flores! Sustentar-nos-ão com seus grandes e suculentos frutos!

Se observarmos a natureza, veremos a imensa variedade de sementes, cada uma com uma finalidade. Algumas alimentam, outras curam; há aquelas que embelezam e as que exalam fragrâncias maravilhosas; há as que são raríssimas de se encontrar, são exóticas.

Assim são nossos talentos, sementes prontas a germinar, todos nós fomos brindados com uma incrível diversidade deles. Durante toda nossa existência na Terra, podemos descobri-los. Conforme vai se dando nosso amadurecimento, vamos percebendo talentos que antes não havíamos percebido, e lançamos mão deles para trilhar os caminhos da vida.

Percebam como assumimos vários papéis no dia a dia, somos filhos, irmãos, pais, avós, tios, estudantes, professores, namorados, companheiros, patrões, empregados, somos cidadãos, amigos, colegas, vizinhos. Não importa o papel que desempenhamos, nossa forma de nos portar no mundo é única e por isso somos indivíduos, cada um com sua própria Luz!  

Será que conseguimos perceber de forma clara, quais são nossos talentos? Nesta vastidão de habilidades que precisamos desenvolver para dar conta de exercer todos os papéis aos quais somos chamados no cotidiano?! Provavelmente, se você está lendo este artigo, é porque neste momento da sua vida, talvez queira descobrir outros talentos que ainda não conhece em você mesmo, ou talvez queira investir e aprimorar aqueles que já conhece.

Talvez, você consiga se enxergar com os olhos da alma! Busque não se criticar, mesmo que tenha habilidades que o mundo lhe diz ser um “defeito”. Nós não somos máquinas para apresentar defeitos! Simplesmente somos diferentes uns dos outros, encaramos os desafios de forma diferente e reagimos cada um ao próprio ritmo, com as ferramentas internas que possuímos.

Participei de processos seletivos como selecionadora e observadora de vagas em empresas privadas. Quando é perguntado nos processos seletivos quais os pontos de melhoria, uma grande maioria dos candidatos dizem serem ansiosos. Há selecionadores que quando fazem esta pergunta, já antecipam:

– Por favor, não vale dizer que é ansioso, porque todos somos!

Mas quem disse que ansiedade é um ponto a melhorar? Segundo os psiquiatras a ansiedade “é uma emoção normal e universal do ser humano. Ocorre quando se antecipa uma situação de perigo”.

Proponho que você se enxergue com o coração, lance mão de toda sua generosidade e gentileza e perceba se esta “ansiedade” aparece diante das situações profissionais que vivencia. Será que ela pode ser o fruto da competição ao qual somos inseridos nesta sociedade basicamente capitalista?

Por favor, não encare isso como uma crítica destrutiva, até porque faço parte desta mesma sociedade. Quero estimulá-lo a reflexão quanto aos nossos “pontos de melhoria”.

Os pontos que devemos melhorar em nós

Percebo o ponto de melhoria como uma oportunidade de desenvolver os próprios talentos. Observem que os pontos de melhoria são “vistos” pela sociedade como atitudes “agressivas”. Acredito piamente de que o ser humano é agressivo somente quando vê perigo e precisa se defender. Usa a agressividade porque não enxerga outra forma de lidar com o desafio, e vou mais além, tenho certeza de que não aprenderam a usar alternativas.

Um dos infinitos exemplos do que seja talvez, um ponto a melhorar num processo seletivo para uma empresa privada que está contratando,

Imagine este candidato:

Um jovem rapaz de 22 anos de idade, recém-formado em Educação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável. Tem alma de artista. Adora estar com os amigos, com a natureza, é surfista. Pinta aquarelas e toca violão. Reside numa grande metrópole, seus pais têm casa no Litoral Norte de São Paulo. Toda sexta-feira viaja até lá e só retorna na segunda-feira de manhã. Ama acordar com o Sol aparecendo, ainda bem cedinho para praticar surfe. Volta ao entardecer para casa. É da geração saúde. Prefere alimentos frescos, frutas, legumes e peixes, água de coco e sucos naturais. Possui um aquário no seu quarto com peixes de água salgada, o qual diariamente cuida e admira. Tem dois lindos cães labradores, que leva para passear todos os dias. É filho único. Está sempre rodeado de amigos. Aluno aplicado tem sempre lugar garantido na avaliação positiva dos seus mestres. Dotado de grande Fé, acredita na solidariedade entre os homens para uma vida melhor.

Seus pais são profissionais bem-sucedidos. A mãe é Médica Pediatra e o Pai, um Executivo Influente no ramo que atua. Além da formação acadêmica, da fluência em espanhol e inglês e do excelente relacionamento interpessoal, o rapaz conseguiu participar do primeiro processo seletivo de uma vaga de analista pleno, de uma grande Instituição Financeira, através da indicação do Pai.

Não passou no processo seletivo. Quando a selecionadora lhe perguntou qual seu ponto de melhoria, ele simplesmente disse, com toda espontaneidade, que não conseguia fazer nada muito rotineiro. Esta vaga era destinada à execução da atividade de análise e aprovação de propostas de concessão de créditos às empresas estrangeiras. A fluência no inglês era imprescindível! Neste processo seletivo, fica claro que o jovem tem mesmo que melhorar este ponto se quiser trabalhar numa vaga como esta.

A meu ver, é muito mais fácil investir nos talentos que já possui e conduzir sua carreira aos trabalhos que não exijam o cumprimento de exaustivas rotinas, do que ferir suas preferências psicológicas, obrigando-se à adaptação a esta vaga. Ele pode oferecer seus serviços através de projetos que contemplem a gestão dos recursos naturais às empresas que extraem matéria-prima da terra. Que vastidão de atividades esses projetos pode abranger!

Minha intenção com este artigo é provocar uma auto reflexão, trazer ideias e experiências que te permita experimentar outros caminhos. Esta que vos escreve, já passou por várias fases de questionamentos, e com certeza passará por tantas outras, já que pretende viver pelo menos até os 93 anos de idade. E viver bem, com saúde, trabalhando, estudando e compartilhando com o mundo “casos de sucesso”.

Não importa a idade, uma “receita” quase infalível, compartilhada por muitos autores que se dedicam à literatura de autoajuda, nos diz que a melhor forma de encontrar respostas para nossos questionamentos é o recolhimento.

Exercitando o recolhimento

Alguns gostam de recolherem-se em Mosteiros espalhados pelo mundo. Outros gostam do recolhimento feito por meio de meditações. Uns optam por praticar orações, seja em templos religiosos ou nos seus lares. Como você se recolherá não importa muito, o que importa mesmo é que você encontre a sua maneira de ficar a sós e em silêncio com você mesmo.

Você pode aproveitar este tempo de recolhimento para fazer anotações sobre quais talentos você possui e usar para seu sustento financeiro.

Se você está querendo descobrir mais talentos pode fazer um Brainstorming das suas habilidades, de tudo aquilo que você faz benfeito quando desempenha os vários papéis do cotidiano. Normalmente somos elogiados por pessoas que nos querem bem e que ressaltam estas habilidades diferenciadas. Estes são seus talentos!

Costumo ter comigo papel e caneta. Nunca se sabe quando novas habilidades ou ideias saltarão aos olhos da alma! No meu caso, eles surgem normalmente quando saio para me divertir, quando acabo de me deitar para dormir, às vezes assim que acordo, ou as ideias me acordam de madrugada e enquanto eu não me levanto para escrevê-las elas não vão embora!

Faço meus questionamentos ao Universo e espero pela resposta. Ela sempre vem. Por exemplo, se tenho um grande projeto para fazer e nem sei por onde começar, mas já aceitei o desafio, não me preocupo porque aprendi a acreditar e confiar em mim e no Universo.

A resposta está lá, em algum lugar… e quando eu menos espero lá vem ela, aí é só anotar. Este é o segredo do sucesso profissional! A resposta vem de várias formas, da lembrança de situações parecidas vividas no passado e que podem ser usadas aperfeiçoando as técnicas e os conteúdos ou a forma de comunicar a mensagem.

Às vezes vem à lembrança um livro que pode ajudar, às vezes pesquisando na Internet encontra-se o que estava buscando. Um amigo pode te falar algo que faça um sentido maior pra você, trazendo a você a resposta que estava buscando, você pode aprofundar suas pesquisas e os estudos dedicando-se e deixando fluir as ideias. Elas vão se configurando de alguma forma em sua cabeça, e quando isso acontecer não hesite, confie e aja!

Siga a intuição e parta para a ação, confie, é o Universo lhe trazendo as respostas. Mesmo que tenha que ir melhorando dia a dia. A resposta veio e é natural que ao partir para a ação pela  primeira vez não saia perfeito, ou que você não colha os resultados que esperava logo na primeira tentativa. Saiba que com persistência, dedicação e experiência o caminho vai ficando cada vez mais claro.

Um grande aliado é mesmo ter um tempo de recolhimento em sua rotina diária. Quando somos jovens e começamos a trabalhar, nossos talentos mais emergentes são usados para que possamos nos adaptar e sobreviver no mundo. Temos ambições e sonhos que queremos realizar! E queremos agora!

Cursamos a faculdade, fazemos um esporte, namoramos, compramos uma residência, queremos um lar, casamos, temos filhos, queremos proporcionar o melhor a eles. Dedicamo-nos mais e mais a ganhar dinheiro para suprir todas as necessidades familiares, que não são poucas! E a rotina nos atropela, passa inclusive por cima dos sonhos de quando éramos garotos, que deixamos pra lá!

O resgate de um talento

…“Em minha juventude, eu sonhava ser escritor, mas isso estava além das minhas possibilidades… esperei bastante. Deixei o sonho guardado e construí uma sólida carreira como executivo. Mas um dia, tomei a decisão de me reinventar. Comecei a recontar, com uma pitada de bom humor, as alegrias e as frustrações que todos temos e tivemos em nossas vidas profissionais… Uni um prazer antigo, o de escrever, com tudo o que vi e aprendi em três décadas de vida corporativa…”. Max Gehringer  

Quando identificamos talentos que nos dão prazer, por que não investimos em aprimorá-los?

Há alguns anos atrás, assistindo a um telejornal da manhã na cidade de São Paulo, me chamou a atenção uma reportagem sobre a mudança brusca no estilo de vida de um rapaz. Ele teve a coragem de assumir um de seus talentos e transformar sua vida. A reportagem começou mostrando um lugar lindo, próprio para a prática de voos livres. Montanhas, cachoeiras ao fundo, um lugar paradisíaco.

O rapaz entrevistado vestia roupas e equipamentos adequados para a prática de voo livre. Sua fisionomia transmitia paz e serenidade. No decorrer da reportagem, ficamos sabendo que ele deixara para trás uma profissão que exigia uma vestimenta mais pesada como terno, gravata e sapatos sociais. Ele trocou totalmente seu cenário de trabalho e o que antes era um escritório, agora passou a ser a natureza, o ar livre.

Por acreditar que pudesse juntar o prazer, o sustento financeiro e a realização pessoal, decidiu investir e profissionalizar o que antes já fazia por hobby, por puro prazer. Voar aos finais de semana era um hobby que ele se identificava e o ajudava a combater o stress do cotidiano na cidade grande.

Estar em contato com a natureza, sentir a emoção da liberdade, fez com que ele quisesse compartilhar com as pessoas esses momentos mágicos, que o estimularam a investir nesse talento. Hoje, ele diz se sentir realizado, feliz, tranquilo, porque faz o que gosta. E, além do retorno financeiro, há o retorno dos clientes, relatam boas emoções, sensações de prazer e conquista por vencer seus medos! O feedback do trabalho que faz é instantâneo e positivo, realizador.

Observar os talentos que nos dão prazer e espiar com curiosidade, pesquisando sua relevância e utilidade para o mercado, pode ajudar a identificar que tipo de aprimoramento e quanto tempo serão necessários, para que ele amadureça e nos permita ter o sustento financeiro e, porque não, o sustento emocional. Os talentos estão lá, prontos para serem explorados por nós. Eles germinarão com certeza, só basta ter a atitude de explorá-los e cultivá-los.

A responsabilidade pelo aprimoramento dos talentos é pessoal e intransferível. A dedicação e o comprometimento com o próprio desenvolvimento não necessariamente precisa ser sofrida, exaustiva e muito menos séria. A forma como você investirá em burilar seus talentos não importa, ela combinará com seu jeito de viver a vida.

Alguns acreditam que para brilhar profissionalmente deve-se ter 10% de inspiração e 90% de transpiração. Outros acreditam que pode ser exatamente ao contrário, 90% de concentração e idealização e 10% de transpiração. A forma que você escolherá dependerá da sua visão sobre a vida e do momento de amadurecimento emocional e físico que se encontra.

Não há certo ou errado, só há formas diferentes de caminhar os caminhos que você mesmo escolherá. Há muitas portas para se escolher e muitas ilusões. Coloque sempre em primeiro lugar seus talentos, seus valores, o que verdadeiramente é importante para você. Siga-os sempre… você só encontrará um caminho: o de Brilhar!

Você já viu alguém que planta tomates e conhece as condições ideais para que os frutos cresçam suculentos, plantar as sementes, cuidar das condições e não colher tomates? Não tem como isso acontecer. Você já viu um diamante bruto ser lapidado e não brilhar? Então tome uma decisão agora mesmo. Não importa onde está agora, importa é o como vai fazer para caminhar de onde está neste momento para alcançar o brilho dos seus talentos.

E quando os talentos conhecidos por nós já não nos satisfazem mais no campo profissional? Talvez esteja na hora de explorar talentos latentes. Reserve no seu recolhimento diário, um tempo de puro silêncio. Puro silêncio, não quer dizer que você não vai pensar em nada, porque isso não tem como ser feito, afinal nossa mente não para.

Você pode se fixar na respiração, se concentre somente em como está respirando e expirando, devagar. Faça isso por um período de 15 minutos. Se tiver dificuldade comece com 5 minutos e progressivamente vá aumentando até chegar ao mínimo de 15 minutos.

Antes do exercício, faça mentalmente ou diga em voz alta:

– Quero descobrir: quais talentos me trarão a realização profissional nesta fase da minha vida?

A necessidade do planejamento

Quando a resposta vier, vá em busca de aprimorá-los e de saber onde aproveitá-los no mercado de trabalho. Será necessário um planejamento.

Costumo dizer aos meus clientes que a palavra “planejamento” é a chave para uma vida mais feliz e proveitosa. Numa sociedade que nos leva a consumir o tempo todo junto às gerações que se transformam a cada 10 anos, e cada vez espera resultados mais rápidos, esta palavra, planejamento é totalmente impraticável.

Tomei contato com o “planejamento” quando tinha 23 anos de idade. No início eu demorava muito tempo para fazer um bom planejamento. Para planejar um dia inteiro de trabalho eu demorava meio período. Além de demorar, conseguia executar só 10% daquilo que eu havia me proposto fazer.

Mas de tanto treinar e persistir, fui melhorando. Trouxe o planejamento para minha vida pessoal, acadêmica, financeira e profissional. Hoje consigo planejar meu dia nos primeiros 5 minutos e atinjo 99% do que planejo. E ainda sobra tempo para os imprevistos.

Mágica? Não, persistência e treinamento. Mas o esforço valeu a pena! Otimizo meu tempo, minha energia e meu dinheiro. Convido você a agendar um horário comigo para juntos trilharmos um caminho de descoberta e aprimoramento dos seus talentos!

Seja bem vindo ao meu consultório virtual.  Agende agora mesmo sua consulta: www.psicologiaviva.com.br/elainepoltronieri

Elaine Poltronieri

Olá, seja bem vindo ao meu perfil! Me chamo Elaine, é um prazer receber você aqui no meu consultório virtual. Meu trabalho contempla desde a escuta e o acolhimento, num espaço de confiança e segurança, onde você poderá falar e expor sobre qualquer assunto que o esteja incomodando. Poderá contar além dos serviço de psicoterapia convencional que nada mais é do que um acompanhamento semanal onde suas percepções serão ampliadas. Uso também técnicas de relaxamento e interpretação de sonhos, tendo como base a teoria junguiana à qual sou especializada. Eventualmente sugiro exercícios para casa, com o intuito de fortalecer seu emocional para que você tenha um respaldo entre as sessões. Uso ferramentas de desenvolvimento de coaching e a visão sistêmica, trazida pelas Constelações Familiares onde o cliente é percebido como parte de sua familia e seu sistema familiar, o que inclui a herança genetica psicologica e emocional. Será um prazer conhecer você melhor, fico à sua disposição. Agende sua consulta.
Elaine Poltronieri

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *