Docência: reflexões sobre o pathos estruturante

A educação, institucionalizada nas escolas, tem sido instrumento social lapidado por interesses das classes dominantes na reprodução das relações de produção típicas da sociedade capitalista. O projeto contemporâneo de escola constituiu-se sob a fórmula de aparelho ideológico do estado (Althusser, 1992), aprisionamento de liberdades (Illitch, 1985) e canalização da libido (Jung, 1971/ [2007]). A partir da necessidade de compreender a razão pela qual o adoecimento psíquico é considerado uma epidemia dentre os professores na Educação Básica, utilizamos a “Psicodinâmica do Trabalho” com objetivo de:caracterizar o contexto e o sentido atribuído ao trabalho docente; identificar as formas de mobilização subjetiva vivenciadas; analisar as vivências de sofrimento criativo e patogênico; e,  problematizar estratégias defensivas vigentes na interação entre trabalho prescrito e real.

A metodologia empregada consistiu no estudo de 100 sujeitos, de ambos os sexos (87 mulheres e 13 homens), com idade entre 30 e 65 anos, professores da rede pública de ensino no município de Macaé, por meio de entrevista estruturada, em estudo preliminar desenvolvido no projeto de extensão Pesquisa e Intervenção em Arte, Trabalho e Ações Coletivas, do Instituto de Psicologia da UFRJ. Abordar-se-á questões do sujeito no trabalho, que permeiam sua atividade profissional junto a precarização do trabalho docente, sistemas de avaliação meritocráticos e a própria estrutura inerente a relação professor-aluno-saberes.

Por meio das entrevistas identificou-se as principais atividades do trabalho docente (fomento ao conhecimento e orientação de comportamento), às dificuldades (descontinuidade das políticas públicas, precariedade rede pública, desvalorização do trabalho docente, dificuldade em conciliar as demandas da comunidade escolar, dos alunos e das chefias). As condições descritas mobilizam os sentimentos de insatisfação, de frustração e de não reconhecimento, incitando angústias e a repulsa por permanecer na profissão. A importância do trabalho é reconhecida pela necessidade de sustento e possibilidade de participação em movimentos sindicais.

A canalização da libido é o processo de conversão e transformação da energia instintiva em símbolos, ou seja, há interação entre Eros e Pathos. Esse processo presupõem a domesticação dos desejos. Sendo Eros o território das paixões como disposições patológicas estruturantes, o objeto de amor representa o pathosestruturante aos quais o sujeito busca relacionar-se por amor e sofrimento. A análise dos discursos propiciou a compreensão do porquê o trabalho docente ora é patogênico, ora é estruturante. O sofrimento no trabalho pode encaminhar o sujeito para diferentes destinos, logo tende-se a postular que o sofrimento é inerente e promove conflitos entre o prescrito e o real em meio a mobilizações subjetivas e estratégias defensivas no anseio por instituir o sentidos simbólicos ao trabalho.

Mobilizando-se ou estagnando-se os professores permanecem experienciando o trabalho estruturante e patologizante. E, este estudo pretende contribuir para desestigmatizar as críticas ao trabalho docente ciente de que vivemos uma servidão untraliberal que tem produzido desestruturações severas no sujeitos.

Leia também sobre relacionamentos interpessoais!

Botão direcionando os leitores para o download de um ebook

Aline Maria Simões De Coster

Atendimento e acompanhamento psicológico.
Destinado a todo aquele que:
- necessita de diagnóstico quanto ao nível de alterações no comportamento, na personalidade e na cognição, bem como o nível de gravidade de determinadas lesões cerebrais e transtornos de aprendizagem; 
- desejem identificar potencialidade e dificuldades cognitivas;
busque expressar seus conflitos e dificuldades, ultrapassar os obstáculos que o impedem de integrar-se e adaptar-se adequadamente ao meio social;
- otimizar desempenhos em concursos, provas e processos seletivos.
As sessões podem ser em grupo ou individuais. 
Avatar

Últimos posts por Aline Maria Simões De Coster (exibir todos)

One thought on “Docência: reflexões sobre o pathos estruturante

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *