Entendendo a Ansiedade! Quando ela é nossa amiga, quando é vilã?

Pesquisas comprovam que a mente humana trabalha o tempo todo e tem a capacidade tanto de nos adoecer quanto de nos curar, pois, somos seres sensíveis aos acontecimentos externos e a forma como interpretamos estes acontecimentos nos prepara para as respostas comportamentais.

Entendendo a ansiedade

A ansiedade é uma das necessidades básicas do ser humano, todos nós a sentimos e é impossível viver sem, uma vez que ela é o mecanismo de sobrevivência que nos permite identificar o perigo ao mesmo tempo que nos preparar para ele.

Este mecanismo pode ser experimentado de várias formas como por exemplo: imaginar situações de perigo, estar focado demais no futuro e no que pode dar errado. Quando tentamos negar este mecanismo ele tende a se tornar patológico, pois ao negar você não luta contra o perigo e sim contra si mesmo, e isso nos rouba muita energia tanto psíquica quanto física, fazendo-nos experimentar sensações de tensão, hiper vigilância, preocupações exageradas.

Vivências que se intensificam cada vez mais prejudicando nosso bem-estar e qualidade de vida.

Os sintomas mais frequentes da ansiedade

Os sintomas da ansiedade, quando começam a tornarem-se patológicos, podem ser divididos em sintomas físicos e sintomas cognitivos.

Os sintomas físicos:

  • Taquicardia;
  • Sudorese;
  • Insônia;
  • Boca seca;
  • Dores de cabeça;
  • Aperto no peito;
  • Etc.

Os sintomas cognitivos:

  • Pensamentos catastróficos;
  • Pensamentos de incapacidade de realizar algo;
  • Generalização;
  • Pensamentos negativos.

Todas as vezes que, diante de determinada situação real ou antecipada, entendemos que estamos em perigo ou vamos vivenciar algo que não queremos, nosso organismo reage com respostas fisiológicas que nos levam ao comportamento de luta ou fuga.

Que devo eu fazer?

Portanto, aceite que nosso organismo nos transmite informações a todo momento e que a ansiedade é uma informação de que algo está errado, mas esta informação deve ser avaliada. Nem sempre a forma como interpretamos as informações que nos chegam condizem com a realidade, nossos pensamentos são eventos mentais e precisamos observá-los e avaliar quais hipóteses comprovam que este conteúdo é real, ou se não teria outras possibilidades de interpretação. Nem tudo é como pensamos.

Acalme sua fisiologia, questione-se acerca da natureza de sua ansiedade e mude o olhar. Tire o foco dos pensamentos de perigo e se pergunte sobre este alerta que está recebendo do seu organismo, onde você deve focar para não acontecer o que você não deseja. Olhe com carinho para seu organismo e tente ajudá-lo.

Isso é saber gerenciar e usar sua energia, seus mecanismos para potencializar seus resultados na vida e não se limitar. Olhe para você; o que tem acontecido em seu interior? O que você tem se oferecido no dia a dia? Para quais acontecimentos você pode dar uma nova interpretação? Você pode curar-se, mas também destruir-se.

Procure um profissional, aceite ajuda, você não é obrigado a dar conta de tudo sozinho.

Psicóloga Lílian Alves/ CRP 04/50211

Lílian Alves

Sou psicóloga clínica, trabalho com adultos me guiando pela terapia cognitivo comportamental. Minhas experiências clínicas são com pacientes que sofrem com depressão, transtornos de ansiedade, pessoas que estão passando pelo luto, enfermos, dentre outras questões humanas que nem sempre conseguimos lidar sozinhos. Meu trabalho visa caminhar em parceria com o paciente para que este aprenda a ser seu próprio terapeuta e consiga responder a vida de forma mais autêntica, ou seja, no processo de autoconhecimento o paciente irá identificar seus pensamentos, emoções e comportamentos, como também, entender e acolher suas angustias para então descobrir novas formas de enfrentar seus conflitos.
Lílian Alves

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *