funções psíquicas

16 Funções Psíquicas que funcionam bem ou não!

As funções psíquicas são elementos criados para compreender a composição do funcionamento de uma pessoa. Quando elas têm desempenho adequado são sinais que contribuem para qualidade de vida satisfatória.

Mas, quando estão em disfunção, são sinais e/ou sintomas que indicam adoecimento psíquico quantitativo e/ou qualitativo.

Segundo Cheniaux (2017) e Dalgalarrondo (2019) podemos ter vários tipos de funções psíquicas distintas, mas, que se complementam ao serem executadas.

Elas são detalhes que muitas vezes ficam imperceptíveis em uma avaliação psíquica, então é interessante conhecer um pouco e formar a noção de que em uma avaliação são compiladas inúmeras informações.

A seguir consta um resumo com alguns exemplos para conhecimento:

1. Afeto

Estados psíquicos afetados pela agradabilidade ou desagradabilidade, dão cor, brilho e calor as vivências. Surgem como consequência de ações que visaram uma satisfação de necessidade. Incluem emoções, sentimentos, paixões e humor.

Alterações podem ser várias, por exemplo:

  • Embotamento afetivo, o afeto está distanciado e/ou empobrecido;  
  • Exaltação afetiva, aumento da intensidade ou duração de forma desproporcional a situação ou objeto que motivou o afeto;
  • Labilidade afetiva, uma instabilidade e dificuldade em controlar as mudanças frequentes nos afetos.

2. Aparência

Conjunto de cuidados higiênicos e estéticos relativos ao corpo.

Alterações: aparentar descuidado, desleixado, parecer bizarro, exibicionista, ter comprometimento na higiene corporal.

3. Atenção

É o processo de direcionamento da Consciência de forma interna ou externa, auxilia-a ao selecionar e manter a concentração da atividade mental sobre algo.

Alterações:

  • Hipoprosexia, diminuição da atividade da atenção atingindo a tenacidade (capacidade de concentração, manter a atenção) e a mobilidade (capacidade de desviar a atenção a coisas diferentes);
  • Rigidez da atenção ou distração, há alta capacidade de concentração, de manter a atenção gerando desatenção as outras coisas não focadas no momento;
  • Labilidade da atenção ou distraibilidade, uma instabilidade com alta capacidade de desviar a atenção a coisas diferentes com incapacidade para fixar-se em algo que exija esforço.

4. Atitude ou Comportamento

Abrange a fala, gestos, mímicas e outros movimentos corporais.

Alterações: podem ser muitas atitudes do tipo não cooperante, oposição, fuga, querelante, arrogante, invasivo, inibido, irônico, manipulador, sedutor, submisso e etc.

5. Consciência

Vivência interna e atual, reflexiva, soma total das experiências conscientes, faz distinção entre o self/eu e o não eu. Integra todos os processos mentais em dado momento com intencionalidade.

Pode ser compreendida como vigilância, ou seja, estado de ativação, de lucidez, de alerta com o sensório claro.

Alterações são diversas, exemplos:

  • Perda da consciência de continuidade da própria ação, sensação de que ao agir é outra pessoa ou outra força que toma iniciativa;
  • Coma, a ausência completa da consciência;
  • Desorientação autopsíquica, uma diminuição ou perda da consciência da identidade do eu.

6. Inteligência

Capacidade de usar processos metacognitivos para compreender, elaborar e avaliar conteúdos intelectuais que objetivam realizações e adaptações com eficiência, soluções satisfatórias. Pode ser compreendida como uma função composta.

Alterações: déficit intelectual por desenvolvimento deficiente ou deterioração intelectiva.

7. Imaginação

Essa função está ligada a imagens e ideias abstratas, criar novos conceitos, conexões entre representações e conceitos preexistentes.

Alterações: pseudologia fantástica ou mentira patológica (relatos de histórias fantásticas e heróicasheroicas criadas com intencionalidade de impressionar).

8. Linguagem

Fazem acontecer a comunicação social, a expressão de vivências internas, organizam a experiência sensorial e dos processos mentais, transmitem conhecimento e regulam condutas. Faz parte da função psíquica pensamento.

Alterações podem ser muitas, exemplos:

  • Agrafia, incapacidade para escrever;
  • Alexia, incapacidade para leitura;
  • Mutismo, ausência da fala;

9. Memória

É o armazenamento de conhecimento e experiências através da fixação, conservação e evocação.

Também pode distinguir as pessoas pelos tipos de memórias portadas (psicológica, genética, imunológica e cultural).

Alterações podem ser de vários tipos, como:

  1. Amnésia anterógradas, impossibilidade de formar novas lembranças de longo prazo;
  2. Amnésia retrógradas, impossibilidade de evocar eventos anteriores a seu surgimento;
  3. Hipermnésia anterógrada, capacidade exagerada de armazenar novas informações;
  4. Hipermnésia retrógrada, excesso de recordações em pouco tempo.

10. Orientação

Capacidade de  situar-se em relação a si mesmo e ao ambiente, vivência do tempo e do espaço, resultado da apreensão entre si e as percepções para atribuir significações ao contexto.

É um produto da integração de várias funções psíquicas.

Alterações são diversas, como:

  • Desorientação amnéstica, prejuízo na memória recente que não permite fixar informações;
  • Desorientação confusa, prejuízo na consciência que gera disfunção na atenção, na concentração, na memória recente e de trabalho e ainda na apreensão e integração da realidade;
  • Falsa orientação delirante, orientação falsa surgida por ideias e pensamentos que não condiz com a realidade.

11. Pensamento

Recurso de raciocinar, de antecipar, de examinar e de ponderar algo, pensamento é a construção de modelos de realidade, de conceitos, de juízos e de simulação.

Alterações:

  • Curso, pode ser acelerado, alentecido ou interrupto;
  • Forma, pode ser fuga de ideias (variações rápidas de temas), desagregação do pensamento (ações de ideias são incompreensíveis para o ouvinte), prolixidade (exagero em detalhes irrelevantes), minuciosidade (excesso de detalhes relevantes), perseveração (fixação em tema com empobrecimento dos processos associativos e perda de flexibilidade);
  • Conteúdo, pode ser do tipo concretismo (discurso pobre, abstrato), ideias delirantes (ou delírios, são convicções patologicamente falsos, com conteúdo impossível), e sobrevalorizadas (uma ideia errônea por superestimação afetiva).

12. Psicomotricidade

São movimentos corporais, ações que possuem conteúdo psicológico, feitos de forma consciente e voluntária para uma finalidade. Fazem parte da função psíquica volitiva.

Alterações são muitas, exemplos:

  • Estupor, abolição dos movimentos voluntários;
  • Hipercinesia, aumento patológico do movimento voluntário;
  • Estereotipias, ações desprovidas de finalidade e sentido.

13. Pragmatismo

Capacidade de realizar aquilo que deseja ou que planejou, comportamento direcionado ao objetivo. É a forma de medir o desempenho conjunto das funções psíquicas.

Alterações: hipopragmatismo (diminuição) ou apragmatismo (abolição).

14. Prospecção

Planejamento da própria vida, reflexo da expectativa do seu futuro.

Alterações: formulação de planos absurdos, pessimistas, destrutivos.

15. Sensopercepção

Primeiro contato de conhecimento do mundo externo, gera as informações do ambiente necessárias à sobrevivência. A sensação é um fenômeno resultante das alterações produzidas por estímulos externos sobre os órgãos sensoriais.

Já a percepção é um fenômeno consciente que resulta da integração das impressões sensoriais parciais e da associação dessas  representações.

Alterações podem ser muitas, seguem as mais frequentes:

  • Hiperestesia ou hiperpercepção, aumento da intensidade perceptiva;
  • Hipoestesia ou hipopercepção, diminuição da intensidade perceptiva;
  • Ilusão, um objeto serve de estímulo para a percepção de outra coisa;
  • Alucinação, percepção de algo sem a presença de um objeto que estimule;

16. Vontade

Conjunto de atividades psíquicas direcionadas para a ação, inclui o impulso que é um estado motivacional que induz a ação e a vontade que é um processo de escolha consciente de direcionamento.

Alterações podem ser várias, como:

  • Hipobulia, uma fraqueza, diminuição no desejo, falta de vontade e de energia;
  • Atos impulsivos, são atos súbitos, incoercíveis e incontroláveis;
  • Atos compulsivos, primeiro pode haver luta ou resistência em executar um ato, mas com falha nessa tentativa o ato é feito de forma frequente, ritualizado e para aliviar sofrimento.

A avaliação psíquica pode ser feita por observação e diferentes tipos de entrevistas, geralmente incluem o Exame do Estado Mental-EEM, as vezes podem ser complementadas com questionários, testes psicológicos e exames físicos e laboratoriais.

Quando uma pessoa passa por essa avaliação, o avaliador pode identificar nas disfunções dessas funções psíquicas a base de um adoecimento mental e compreender as diferentes manifestações clínicas.

Por isso, é primordial uma avaliação psicopatológica descritiva do caso, para descrever e categorizar, e posteriormente poderá utilizar da psicopatologia explicativa, para instruir.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *