Você sabe o que é trauma? Saiba quais são os sintomas e o tratamento

Todos os dias pessoas do mundo inteiro sofrem de traumas repentinos e inesperados – um ferimento ou choque sério no corpo ou na mente causado por violência ou um acidente.

Sabe-se que viver é correr riscos. Estima-se que 90% da população mundial já sofreu um evento potencialmente traumático ao longo da vida. Superar a situação adversa ou ficar marcado por ela é o limiar entre uma situação de estresse e o trauma que está na raiz de diversos transtornos psicológicos.

Os traumas psicológicos podem obscurecer ou mesmo impedir o bem-estar de acordo com a realidade subjetiva de cada indivíduo. Qual a reação das pessoas quando algo terrível acontece? E o que é trauma?

Cada pessoa tem sua própria forma de reagir a situações de risco de vida ou experiências inesperadas. Um determinado indivíduo que passa por uma situação traumática pode sentir medo e ficar impressionado, enquanto outra pessoa que passa pela mesma experiência pode sentir-se chocado e agradecido por estar vivo; portanto, as reações podem variar muito de pessoa para pessoa.  

Os indivíduos possuem determinada capacidade singular de lidar com os eventos estressantes da vida. Quando diante de eventos de grande impacto psicológico, maiores do que a capacidade de suportar, surge o que chamamos de trauma.

Cada pessoa tem um limite diferente frente a um evento. O que pode gerar trauma para um, pode não gerar em outro.  O fato de ser vítima de um evento estressante, que surge repentinamente, de maneira fortuita, também pode ser um fator de agravamento de um trauma.

Para um grande número de pessoas, as reações a eventos traumáticos são completamente normais, temporárias e desaparecem com o tempo. Mas quando isto não ocorre, surge o trauma!

E o que é o trauma psicológico? O que ele difere do Estresse pós-traumático?

O objetivo do presente artigo é esclarecer os conceitos de Trauma Psicológico, sintomas, tratamentos, diferença do Estresse pós-traumático e consequências.

O que é trauma?

A partir da vivência de uma experiência dolorosa, forma-se no indivíduo o que podemos chamar de memória traumática. Essa lembrança se caracteriza pela soma de emoções, imagens, sons e todos os sentimentos vivenciados a partir da ocorrência do trauma.

O acesso à memória traumática se dá por meio de situações que façam o indivíduo reviver qualquer um dos sentimentos relacionados a ela. Isso acaba configurando uma série de gatilhos que culminam na angustiante sensação de volta à experiência do trauma.

O conceito de trauma surge da palavra grega τραμα que significa “ferida”, e em Psicologia compreende-se o trauma como algo que tem origem no exterior, num acontecimento externo, mas que apresenta repercussão em nível interno, que é o nível do funcionamento psíquico.

A Associação Americana de Psiquiatria define trauma como:

“(…) a experiência pessoal de um acontecimento que envolve a morte ou ameaça de morte ou ferimento grave, ou ameaça à integridade física; ou testemunhar um acontecimento que envolve a morte, ferimento ou ameaça à integridade de outra pessoa; ou ter conhecimento de uma morte inesperada ou violenta, ferimento grave ou ameaça de morte ou doença grave num familiar ou amigo próximo (…). A resposta da pessoa ao acontecimento tem de envolver medo intenso, impotência ou horror (…)” (DSM, p. 424).

Na descrição do DSM-IV, temos:

Os eventos traumáticos que são vivenciados diretamente, tais como: combate militar, agressão pessoal violenta (ataque sexual, ataque físico, assalto à mão armada, roubo), sequestro, ser tomado como refém, ataque terrorista, tortura, encarceramento como prisioneiro de guerra ou em campo de concentração, desastres naturais ou causados pelo homem, graves acidentes automobilísticos ou receber o diagnóstico de uma doença que traz risco de vida (DSM, p. 449).

O acontecimento traumático foi definido como algo que ultrapassa a usual experiência humana. A constatação de que os episódios de ameaça à vida não são uma experiência rara levou à exclusão da raridade na definição de trauma (DSM).

A maioria das pessoas consideram que trauma é algo gerado por situações onde a vida de alguém está ameaçada, como num acidente de carro, um assalto, violência sexual, morte de alguém querido, crises de pânico e ansiedade, etc.

Isso é verdade, entretanto, por incrível que pareça, os maiores traumas são causados pelas pessoas que amamos. Essas pessoas podem ser nossos pais, nossos maridos e esposas, amigos e parentes. Na realidade, isso acontece, porque ninguém imagina ser traído ou maltratado por alguém que se ama e espera ser amado.  

Outra característica desses traumas é que ao contrário de um trauma único, como um acidente de carro por exemplo, normalmente eles acontecem diversas vezes. Temos aí um trauma de desenvolvimento ou uma situação poli-traumática.

O conceito de trauma psíquico é entendido como decorrente de um acontecimento que abalou de tal forma o indivíduo, que provocou modificações consideráveis no seu modo de funcionamento psíquico.

Esta delimitação do conceito introduz a problemática da tensão entre o que é interno e o que é externo no trauma, uma tensão entre aquilo que resulta do acontecimento e o que resulta da experiência subjetiva do indivíduo.

Um acontecimento só deve ser considerado traumático quando representa uma ameaça para a vida ou segurança de uma pessoa e ultrapassa em intensidade as ocorrências comuns, deixa usualmente o indivíduo desesperado e sem saber o que se deve fazer.

Para compreender o acontecimento traumático é preciso conhecer não só o acontecimento em si que ocasionou o trauma, como também quais as modificações internas que ocorreram no indivíduo.

É fundamental compreender por que determinado evento tornou-se traumático para um determinado indivíduo, e como o mesmo – foi ou não – digerido pelo seu aparelho psíquico.

Na perspectiva da Psicologia cognitivo-comportamental, considera-se traumático um evento que provoca no indivíduo a sensação de incapacidade para responder ao tamanho desse acontecimento; e portanto, entender que cada indivíduo apresenta diferentes reações ao trauma.

Infelizmente, todas as pessoas podem sofrer traumas psicológicos, estes traumas podem ser provocados por assaltos, acidentes, perdas, violência sexual, rompimentos de relacionamentos, demissões e outros.

Ao tratar de traumas psicológicos, é preciso sempre levar em conta que cada pessoa reage de uma forma diferente frente às experiências positivas e negativas. A questão é que determinadas situações ruins despertam as lembranças de ocasiões igualmente ruins que aconteceram no passado.

Traumas psicológicos são sequelas emocionais, deixadas por uma experiência que causou imensa dor e sofrimento ao traumatizado, tal experiência (também chamada de evento traumático) é de tal magnitude que afetam profundamente o comportamento, pensamento e sentimentos do indivíduo, e este, por sua vez, fará de tudo para evitar reviver ou relembrar qualquer fato ligado ao que lhe causou traumatizou.

Fatores que aumentam a probabilidade de trauma:

  • Um ambiente instável ou inseguro.
  • A separação de um pai e/ou mãe.
  • Doença grave.
  • Procedimentos médicos invasivos.
  • Abuso verbal, física ou sexual.
  • Violência doméstica.
  • Negligência.
  • Assédio moral.

Sintomas dos traumas psicológicos

Físicos: úlceras, palpitações, dor no coração, hipertensão, alergias, enxaqueca, fibromialgia, síndrome do intestino irritável, síndrome da fadiga crônica.

Psíquicos: irritabilidade, ansiedade, agressividade.

Sociais: queda de produtividade no trabalho, conflitos entre os familiares e amigos, tendência ao isolamento, apatia.

Outros Sintomas de traumas psicológicos

  • Revivência do trauma nos sonhos ou nos pensamentos durante o momento de vigília (momento em que o indivíduo encontra-se acordado).
  • Evitação de situações que possam lembrar o evento traumático.
  • Hiperexcitação (estado de agitação constante). Resposta de sobressalto exagerada (sustos exagerados por motivos banais).
  • Dificuldades em dormir.
  • Irritabilidade ou surtos de raiva.
  • Isolamento ou afastamento do convívio social.
  • Hipervigilância (como se algo estivesse sempre espreitando para atacá-lo).
  • Desinteresse pelo próprio futuro (trabalho, estudo, casamento).

Outros sintomas associados aos traumas:

  • Depressão.
  • Ansiedade.
  • Dificuldade de concentração e aprendizagem.

Eventos considerados traumáticos:

  • Agressões físicas.
  • Assaltos.
  • Estupros.
  • Guerras.
  • Violência sexual.
  • Maus tratos e outros.

Ao contrário do que se acreditava, as pesquisas recentes apontam que não existem fatores traumáticos universais, isso porque cada pessoa compreende e percebe a realidade de forma muito particular, sendo assim o que é entendido como traumático para alguém pode não ser para outro.

Os traumas estão na raiz de diversos transtornos psíquicos e endocrinológicos, que vão desde a depressão até a dependência química, passando pela obesidade, Síndrome do Pânico e pelo Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC).

O fato é que muitas vezes, depois de um trauma psicológico intenso, a pessoa simplesmente não consegue voltar ao seu estado psicológico habitual.

Entre os fatores que podem dificultar o processo de recuperação psicológica estão:

  • A idade.
  • A intensidade e o tempo de duração da experiência.
  • A sensação de impotência que a pessoa sentiu.
  • O significado que essa experiência teve na história de vida dessa pessoa.
  • Os sentimentos que o evento provocou: medo, pavor, raiva, angústia, nojo.

Não se isole

  • Após um trauma você pode querer se esconder das outras pessoas. O isolamento pode tornar as coisas piores. Estar frente a outras pessoas pode ajudar. Portanto se esforce para manter seus relacionamentos e evite ficar muito tempo sozinho.
  • Você não precisa necessariamente falar sobre o trauma. Na verdade, para algumas pessoas falar pode até mesmo piorar as coisas, para essas pessoas o conforto pode vir por meio do sentimento de envolvimento e aceitação dos outros. Caso não esteja conseguindo, procure um psicólogo para te ajudar.

Procure ajuda psicológica quando:

  • Estiver tendo problemas funcionais em casa ou no trabalho.
  • Sofrer com medos, ansiedade ou depressão.
  • Percebe-se incapaz de formar relacionamentos próximos e satisfatórios.
  • Quando se passa por terríveis lembranças, pesadelos ou flashbacks.
  • Quando se evita coisas, lugares ou pessoas que o fazem lembrar do trauma.
  • Está emocionalmente dormente e distante dos outros.
  • Está usando álcool ou drogas para se sentir melhor.

O tipo mais comum de doenças diretamente vinculadas aos traumas é o Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT).

Os eventos traumáticos, além do TEPT, podem desencadear diferentes transtornos psiquiátricos como: depressão, abuso de substâncias psicoativas e transtorno de ansiedade generalizada.

Você conhece o Transtorno do Estresse Pós-Traumático?

  • Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT)

Observa-se que o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) não afeta apenas quem passou por uma catástrofe, guerra e ou situações semelhantes. Todo mundo passa por momentos de medo, mas para quem sofre de transtorno de estresse pós-traumático, o pavor assume vida própria.

Como compreender e tratar pacientes que foram vítimas de episódios violentos, como estupro, assalto, sequestro? Quais as consequências psicológicas desses eventos?

O transtorno de estresse pós-traumático é causado pela exposição a um evento como:

  • Combates militares.
  • Crimes violentos e agressões físicas.
  • Desastres naturais como: tornados, inundações e terremotos.
  • Acidentes sérios como: incêndios em casa ou batidas de carro.
  • Estupros e agressões sexuais.
  • Existe uma relação dose-resposta entre o trauma e o transtorno de estresse pós-traumático, o que significa que severidade, duração e proximidade da exposição ao trauma podem influenciar o desenvolvimento ou não dos sintomas.

As pessoas com TEPT já passaram por situações que a maioria de nós nem consegue imaginar. É verdade que cada um se recupera de traumas de modo diferente, mas no caso de quem tem TEPT, o estresse se prolonga e atrapalha a vida diária.

É como se sua resposta “lutar ou fugir” nunca se desligasse. Assim, essas pessoas são obrigadas a fazer adaptações em suas rotinas diárias. O TEPT é uma condição complexa que muitos não compreendem.

Outros fatores de risco do TEPT, incluem:

Personalidade: características de personalidade limítrofe, antissocial, dependente e paranoica estão associadas a transtorno de estresse pós-traumático. Pessoas com essas características tendem a ser emocionalmente reativas e agitadas em situações estressantes, e levam mais tempo para se recuperarem de experiências negativas.

Controle percebido: se você tem um locus externo de controle, acredita que não tem poder sobre as coisas que acontecem com você, isso pode fazer com que seja mais difícil lidar com estresse, aumentando a vulnerabilidade pós-trauma.

Apoio social: se você não tem laços familiares e sociais fortes, ou não os construiu durante a infância, então é muito mais provável que desenvolva transtorno de estresse pós-traumático.

Doença mental: se você tem um histórico de depressão, ansiedade, transtorno bipolar ou de abuso de substâncias, ou tem um parente com depressão, então é mais provável que desenvolva transtorno de estresse pós-traumático depois de um evento traumático.

Eventos da vida: eventos estressantes da vida, como por exemplo morte na família, divórcio ou a perda de um emprego, podem causar traumas e aumentar o risco de desenvolver transtorno de estresse pós-traumático.

Peter Levine em seu trabalho na área de Somatic Experiencing (SE), afirma que o trauma tem causa fisiológica, encontra-se em nosso sistema nervoso e assinala que os seus efeitos podem ser superados.  

“Os sintomas traumáticos não são causados pelo acontecimento desencadeador em si mesmo. Eles vêm do resíduo de energia que não foi resolvido e descarregado; esse resíduo permanece preso no sistema nervoso, onde pode causar danos ao corpo e espírito”. (LEVINE, 2010)

Numa grande situação de risco ou traumática, o nosso cérebro é inundado pelo excesso de informações produzidas pelo evento traumático, ele precisa de mais tempo para ser processado e voltar ao estado de relaxamento.

Os sintomas desencadeantes dessas situações traumáticas são desestruturantes e avassaladores, quando não tratados adequadamente e a tempo.

Quando a resposta de luta ou fuga é ativada, os batimentos cardíacos e a respiração aumentam, o sangue é retirado das atividades não essenciais (como a digestão) e direcionado para dentro dos músculos para nos preparar para fugir – e os hormônios, como a adrenalina e o cortisol, inundam nosso corpo, preparando-o para uma reação física.

Tornamo-nos mais alertas e hipersensíveis ao nosso ambiente, podemos até imaginar outras potenciais ameaças que não estavam lá antes. Um círculo vicioso pode se formar quando vemos tudo através desse filtro de perigo. O medo pode se tornar constante.

E enquanto os seus ferimentos físicos podem ser, usualmente, curados pelo próprio corpo, o que é deixado para trás é normalmente o pior – uma lesão emocional, às vezes não detectada, que causa um efeito psicológico duradouro ou, até mesmo, neuroses no paciente.

Ansiedade, depressão e um contínuo sentimento de doença, mesmo pesadelos e alucinações – todos estes podem ser as consequências de uma situação ou evento que causou aflição. Essa consequência do Trauma é chamada de transtorno de estresse pós-traumático – TEPT.

O estresse pós-traumático é um transtorno psicológico que provoca medo excessivo após situações muito chocantes, assustadoras ou perigosas, como participar numa guerra, ser raptado, assaltado ou sofrer de violência doméstica, por exemplo.

Além disso, em alguns casos, o transtorno também pode acontecer devido a uma alteração repentina na vida, como perder alguém muito próximo. O transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) se classifica como um transtorno de ansiedade que ocorre após exposição a eventos traumáticos na vida do sujeito.

Embora o medo seja uma reação normal do corpo durante e logo após este tipo de situações, o estresse pós-traumático causa um medo constante durante as atividades diárias, como ir às compras ou estar em casa sozinho vendo televisão, mesmo quando não existe nenhum perigo aparente.

O transtorno do estresse pós-traumático (TEPT) é um distúrbio da ansiedade caracterizado por um conjunto de sinais e sintomas físicos, psíquicos e emocionais em decorrência de o portador ter sido vítima ou testemunha de atos violentos ou de situações traumáticas que, em geral, representaram ameaça à sua vida ou à vida de terceiros.

Quando se recorda do fato, ele revive o episódio, como se estivesse ocorrendo naquele momento e com a mesma sensação de dor e sofrimento que o agente estressor provocou. Essa recordação, conhecida como revivescência, desencadeia alterações neurofisiológicas e mentais.

Sintomas de alguém que está com Estresse Pós-Traumático

a)  Sintomas de revivescimento

  • Ter lembranças intensas sobre a situação que provocam aumento do batimento cardíaco e transpiração excessiva;
  • Estar constantemente com pensamentos assustadores;
  • Ter pesadelos frequentes.

Este tipo de sintomas pode surgir após um sentimento específico ou após observar um objeto ou ouvir alguma palavra que esteve relacionada com a situação traumática.

b) Sintomas de agitação

  • Sentir-se frequentemente tenso ou nervoso;
  • Ter dificuldade para dormir;
  • Ser facilmente assustado;
  • Ter explosões de raiva.

Obs.: Estes sintomas sendo frequentes, não sendo provocados por nenhuma situação específica, podem afetar algumas atividades básicas como dormir ou concentrar-se numa tarefa.

c)  Sintomas de evitamento

  • Evitar ir em locais que lembram a situação traumática.
  • Não utilizar objetos que estão relacionados com o evento traumático.
  • Evitar pensar ou falar no que aconteceu durante o evento.
  • Geralmente, este tipo de sintomas provoca alterações na rotina diária da pessoa, que deixa de fazer atividades que fazia anteriormente, como utilizar o ônibus ou o elevador, por exemplo.

d)  Sintomas de humor alterado

  • Ter dificuldade para lembrar vários momentos da situação traumática.
  • Sentir menos interesse por atividades agradáveis, como ir à praia ou sair com os amigos.
  • Ter sentimentos distorcidos como, sentir-se culpado pelo que aconteceu.
  • Ter pensamentos negativos sobre si mesmo.

Os sintomas do transtorno de estresse pós-traumático são frequentemente debilitantes e interferem na capacidade da pessoa trabalhar, frequentar a escola e ter relacionamentos significativos. Se não forem tratados, podem tornar-se tão graves que a pessoa pode tentar inclusive o suicídio.

Como confirmar o diagnóstico do TEPT

Para confirmar a existência de estresse pós-traumático é recomendado consultar um psicólogo e um psiquiatra, para juntos esclarecerem os sintomas e iniciar o tratamento adequado, se necessário. No entanto, é possível suspeitar desse transtorno quando ao longo de um mês, surge pelo menos um sintoma de revivescimento e de evitamento, assim como dois sintomas de agitação e de humor.

Como é feito o tratamento do TEPT

O tratamento do estresse pós-traumático deve ser sempre orientado e avaliado por multiprofissionais como o psicólogo e o psiquiatra. Geralmente combina medicação e psicoterapia para apoiar o paciente no momento de necessidade e melhorar a capacidade de enfrentar o mundo ao seu redor.

O tratamento precisa ser individualizado para ajudar cada pessoa a superar os seus medos e aliviar os sintomas que vão surgindo.

Conclusão

Conclui-se que a percepção de um indivíduo é decisiva na qualidade de sua interação com o ambiente, assim, investigações sobre os processos perceptivos são de extremo interesse à compreensão de como o trauma é configurado.

Psicoterapias mostram ótimos resultados no tratamento de traumas, ajudam o paciente a compreender e a ressignificar  as experiências traumáticas.

Observou-se que a vivência traumática está intimamente relacionada não só com o evento em si, mas também com a subjetividade do indivíduo percebe-se que há interação entre a personalidade do indivíduo e o trauma, sugere-se que mente e cérebro não sejam sinônimos, indicando o valor terapêutico de uma psicoterapia.

Não realizar um tratamento adequado para um trauma psicológico pode fazer com que o indivíduo tenha dificuldades nos relacionamentos interpessoais por toda a vida. Isso pode trazer consequências desagradáveis, como um nível exagerado de desconfiança que pode afetá-lo no âmbito pessoal, social e profissional. A  melhor indicação é a Psicoterapia.

Busque ajuda da Psicóloga para o tratamento. O Psicoterapeuta ajuda o paciente a desenvolver mecanismos de manejo das crises, na ressocialização e dessensibilização das coisas que lembram o trauma.

A psicóloga está aqui para ajudar. Faça contato, entre no consultório virtual e agende uma consulta: https://www.psicologiaviva.com.br/consultorioonline/leonor

 

Referências:

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual Diagnóstico e Estatístico de

Transtornos: DMS IV. 5ª ed. Porto Alegre: ARTMED, 2014.

LEVINE, Peter A. O Despertar do Tigre: Curando o Trauma.  São Paulo: Summus, 2010.

PERES, Julio. Trauma e Superação: o que a psicologia, a neurociência e a espiritualidade ensinam. São Paulo: Ed. ROCA, 2009.

Leonor N Medeiros Campos

Ola, seja muito bem-vindo(a)! Eu me chamo Leonor e sou Psicóloga há trinta e cinco anos. Atuo como psicóloga clínica com a Psicologia Positiva e aTerapia Cognitvo-comportamental. E, somando-se às experiências no desenvolvimento de pessoas em RH, o meu objetivo é trabalhar o seu autoconhecimento e através da psicoeducação, que você consiga lidar com seus problemas e superá-los, tenho vivência e muita experiência em construir resiliência. Vamos agendar uma consulta? Conversa com a Psicóloga Leonor por email ou whatsApp e negocie o agendamento. “Há dez anos perdi meu filho com 21 anos e meu netinho com um ano em um acidente de carro. Com estas perdas precisei construir novos recursos para continuar a viver. Percebi que a vida só tinha significado quando ajudava o outro a encontrar também recursos e a obter um novo sentido em suas vidas.” (L.C.) Leonor é psicóloga há 35 anos CRP 04/3487, trabalha com foco nas necessidades de seus clientes, acolhendo e estruturando sessões de atendimento psicológico epsicoterapia diferenciados para cada pessoa e de acordo com o contexto atual. O acolhimento e compreensão do sofrimento humano abrem novas possibilidades e ressignificações para superação dos momentos de dificuldade e de grandes perdas como: um filho, um ente querido, perda de um relacionamento, de um emprego e outras perdas. A profissional tem seu trabalho conduzido pela ética e pelo respeito ao indivíduo garantindo o sigilo absoluto em cada atendimento. Seguindo a abordagem da terapia cognitivo comportamental e estratégias de mindfulness, Leonor atua em atendimento individual (adolescente e adulto), casal, família. Orientando e intervindo em quadros de depressão, ansiedade, fobias, síndrome do pânico, dificuldades de aprendizagem, stress, traumas, sofrimento psíquico grave, dentre outras questões. E, em orientação profissional e vocacional. Aplicação de testes e laudos psicológicos. O cliente pode entrar em contato com a psicóloga por email para acertar horários que melhor se adequem à sua necessidade.

14 thoughts on “Você sabe o que é trauma? Saiba quais são os sintomas e o tratamento

  1. Oi meu nome e luna e eu to vivendo uma vida sofrida vem pensamentos que eu não quero pensa e como se eu tivesse assistindo um video de terro vem o grito e uma imagem eu queria saber se e algum trauma depressão quero sabe oque tenho mi ajudem por favor?

    1. Olá tudo bem? Jesus te ama, e ele quer te ajuda, chama ele para vencer essa etapa com você, na minha infância eu sempre tive traumas, e distúrbio do sonho, eu via pessoas e coisas, Jesus me libertou ele me curou, ele me curou através de orações que eu fiz e quando busquei e entreguei a minha vida a ele, hoje eu sou feliz porque Cristo vivem em mim, que a Paz do senhor Jesus venha estar sobre você.

  2. Eu sofri um acidente , fui atropelada e agora tenho medo de andar a pé isso é normal ? Li toda a publicação e entedi o que é trauma e eu me sinto com alguns dos sintomas será que criei algum tipo de trauma , o acidente foi dia 29/07/17 e desde o saio de casa apenas pra estudar e mesmo andando no passeio fico com medo e frio na barriga quando passa carro , será que isso pode ser trauma ?Me expliquem o que pode ser . Obrigada

  3. Olá , o meu marido está mt doente , e está a fazer tratamentos de quimioterapia ,está debilitado mas anda e comia sozinho , só que teve um acidente de carro ,o carro ficou desfeita destruindo , ele só ficou pisado ,mas desde ai ñ anda sozinho ñ come mal consegue falar .sabem me dizer se está traumatizado ou em choque ?

  4. Olá eu tenho 13 anos meu nome e.nirvanna …quando eu era pequena e até hoje meu pai bate na minha mãe.. .em mim também ele já chegou a me jogar de uma escada e hoje em dia qualquer coisa q acontece fico com medo..quando estou triste tento me matar.comeco a bater em mim mesma e fico me.pergumtando porque foi q nasci ..e hj é um desses dias. Então o q vc acha q devo fazer p tentar mudar? .

  5. Olá

    Sou tímido e tenho dificuldade de conversar e interagir, principalmente em grupos com várias pessoas e isso me atrapalha no trabalho e em outras situações. Quando era criança, tinha medo de altura e quando todos os meninos subiam em árvore,eu ficava de fora, também tinha medo de jogar bola. Será que isso tem a ver com as minhas dificuldades hoje

  6. Oi sofri abuso tipo me fazendo tocar nele antes dos 6 anos de idade me assediaram com 9anos eu acho mais já tinha mudado de cidade e ainda fui abusada também com 10 anos mais não pelas mesmas pessoas com 13 eu acho eu briguei feio com meu pai e deixei ele roxo eu também fiquei roxa mais era pra proteger alguém as vezes fico numa fase de me sentir culpada de me sentir que não me encaixo fora o bullyng que sofri na escola e fui apredejada por umas colegas na 3 série na 5 série as garotas tentavam me bater e ainda me empurravam e me xingavam na 1 ano sofrinteiro Bullyng de novo e ninguém e os professores me criticavam minha professora de história me chamava de burra dizia que beleza não era tudo ,eu sonho que estou brigando com alguém as vez perto do natal já sonhei que estavam me tocando que estavam estrupando alguém da minha família e eu matava essas pessoas minha amiga também tinha morrido no ensino fundamental ela era a única que eu considerava minha amiga mesmo chorei por dois dias ainda me sinto triste por tudo isso ainda sinto que eu não preciso de amigos e que eu devo esconder isso me sinto culpada por tudo isso mais eu tento mudar tento acabar com essa culpa mais ela sempre volta e sou eu que tento acabar com ela sozinha é difícil eu conversa sobre isso com alguém já tenho 17 anos

  7. Ola… , a cerca de 3 anos tive linfoma de hoiding que parou a minha vida desde entao… porem o que me levou a desencadiar a doença foi um trauma anterior. Existe a possibilidade de eu apagar da minha memoria um trauma e como fazer para recuperar para curalo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *