Por que as pessoas sofrem? O que a psicologia pode nos responder?

Pense como seria bom sabermos responder de maneira unânime essa questão! Mas por outro lado, pense também que talvez não seria nada saudável, pois de fato seríamos todos iguais, os mesmo pensamentos, as mesmas características, viveríamos em “um campo de espelhos”. Você se suportaria?

Então vamos lá, já que estamos falando de espelho, encare seus olhos e pergunte a si mesmo(a), tente dar-lhe o melhor argumento para sustentar suas queixas. Por que sofre meu/minha querido(a)?

É normal isso?

Se sofrer é normal? Veja bem, você acha normal às vezes ser feliz? E por que às vezes sofrer não? O problemas é quando o sofrimento toma conta de suas horas, de seus dias, de sua “alma”.

Sentimentos, afetos, são colhidos através de nossos sentidos desde pequeno(a), mas existem coisas que temos uma certa necessidade de nos livrar, sendo assim alguns adoecem, se automutilam, surgem ideações suicidas, entram em estado depressivo, ou de ansiedade, isso tudo acontece devido a vivências que te acarretaram e em um dado momento aquilo que você não quis lidar culmina, “vem com tudo”, o gatilho podemos chamar de algum evento no qual te deu a oportunidade de “colocar para fora”, o que já existia dentro de você, inconscientemente.

Comumente fugimos daquilo que nos causa sofrimento, utilizamos dos nossos melhores mecanismos de defesas psíquicos para termos sucesso na fuga, mas será que é possível fugir de nós mesmos?

Então o que fazer?

Os mecanismos de defesas são possíveis movimentos inconscientes que utilizamos cotidianamente, um desses mecanismos seria a projeção, a pessoa visualiza no outro características próprias que ela(e) mesma(o) não se dá conta que faz parte de si próprio(a). 

Por exemplo, sentir ciúme do(a) parceiro(a). Veja, para que a pessoa tenha um sentimento direcionado ao outro, essa mesma pessoa no mínimo tem que ter algum conhecimento (mesmo que seja inconsciente) daquilo que deposita no outro(a), esse sentimento (ciúme) “está dentro dela(e)” por motivos próprios, e logo se depara no outro(a) através de um gesto ou algo assim, um ótimo motivo para projetar seu sentimento.

O sujeito para sofrer já utilizou de seus mecanismos em suas melhores “criatividades”, não chora porque somente gente fraca que faz isso, não conversa sobre seus pensamentos porque acha que ninguém pode entendê-lo, e assim ao decorrer da vida projeta suas dores e peculiaridades no outro.

Deposita suas partes no corpo do outro, e em fantasias inconscientes, acredita conscientemente em tudo aquilo que sente e visualiza em sua realidade, até que um dia seu corpo adoece, seus pensamentos te tiram a paz, e assim se depara com o sofrimento, e agora?

O que posso dizer é: seja humilde e gentil com você mesmo(a).

Sabemos que ser feliz sozinho é impossível, e por que sofrer sozinho é possível?

Sofrer faz parte da vida, mas talvez seja necessário também compartilhar disso, encare seu espelho e diga a si próprio(a): qual seria a melhor pessoa para conversar?

 

Autora Fernanda Dalla Paula Donato

CRP 04/53143

Fernanda Dalla Paula Donato

Formada no curso de Psicologia, no centro Universitário Unifaminas, pós-graduando em Psicanálise clínica, utilizando da teoria psicanalítica para os atendimentos, produzindo através da associação livre, a escuta singular do paciente. Atualmente elaborando uma pesquisa delimitada à Ética da Psicanálise, na busca de ratificar que a escuta psicanalítica não se reduz ao âmbito do setting terapêutico. A Psicanálise se refere a uma das modalidades dentre o âmbito da Psicologia, a qual foi criada por Sigmund Freud no ano de 1.890, porém sua incidência permanece em nossa atualidade. Propõe intervenção diretamente na fala do sujeito, sendo assim não utiliza dos recursos de testes psicológicos, pois a ênfase se direciona no "dizer" do analisando, exigindo assim uma escuta refinada no analista, pois geralmente a queixa inicial do paciente, ou o sintoma do mesmo, se sustenta em elementos latentes ao consciente, ou seja, por isso a Psicanálise é conhecida como a teoria do inconsciente. Perfil profissional (Instagram):@fernandadallapaulapsi Perfil direcionado à escritas aleatórias (Instagram): @deliberandoemescrita
Fernanda Dalla Paula Donato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *