Amigos caminhando próximo ao rio demonstrando um relacionamento interpessoal

Como vencer as divergências em relacionamento interpessoal

Neste artigo iremos enfatizar um tema que é muito debatido em empresas, comunidades, instituições e até em questões familiares. Nosso tema de hoje ressalta a maneira de lidar com as dificuldades e diferenças em relacionamentos de âmbitos pessoais, familiares, sociais assim como o trabalho em equipe.

Pessoas que sabem se relacionar bem com outras são facilmente reconhecíveis. Tais pessoas tem uma grande facilidade de fazer amigos e de estabelecer vínculos onde quer que estejam. Com uma boa comunicação e empatia podemos vencer aquelas pessoas que temos uma dificuldade de lidar e aprender assim a estabelecer um vínculo melhor com estas, obtendo um crescimento pessoal a um nível mais elevado. Pessoas bem tratadas verdadeiramente e com uma boa interatividade vão ao poucos se sentindo mais valorizadas e consequentemente apresentam um crescimento pessoal em suas relações ao todo, sendo bem mais produtivas e saudáveis no dia-a-dia.

Contudo, essa relações geram uma experiência positiva que faz com que desejemos estar mais tempo com elas. Tendo uma boa habilidade no trato com as pessoas podemos vencer as divergências que cada um possui e construindo relacionamentos mais funcionais .

Enfim veremos alguns princípios que nos ajudaram a sermos habilidosos e vencer as divergências nos relacionamentos com elas sejam no trabalho ou em seu lar.

  • Tudo começa com a gente

Somos seres sociais que necessitam da relação com outras pessoas para vivermos em uma certa harmonia. Pois ninguém é uma ilha. Precisamos ver, encontrar, interagir e trabalhar com diversas pessoas, cada um com suas qualidades, defeitos e desejos. Alguns que combinam com nossos gostos, outras que divergem nesta ou naquela opinião ou se comportam de maneira diferente diante de uma  determinada situação e aí pensamos: “Fulano não poderia falar isto assim, se eu fosse ele ( a) falaria de outra maneira com o chefe “ ou “ se eu fosse ela (ele) não faria isto com seus pais” e outros comentários afins.

Queremos sempre  mudar o Outro  em todas as situações , mas sem mudarmos nós mesmos diante de certas circunstâncias, pois nossas ações falam mais do que mil palavras.

Todos os sucessos que alcançamos  são resultado de relacionamentos iniciados com as pessoas certas e, posteriormente, o fortalecimento desses laços a partir do uso da habilidade em se relacionar com os mesmos.

Podemos ver isto  em alguns exemplos: o envolvimento com um cônjuge  de temperamento difícil, um sócio desonesto ou um membro da família  que tem um comportamento inadequado podem causar dificuldades.

Há casos que o problema chega a ser tão grave, como ignorar um colega de trabalho com quem deveria interagir o tempo todo, fracassar na construção de um relacionamento positivo com um cliente importante ou perder oportunidade estratégicas de encorajar um filho inseguro e até  no dialogar com  pai ou uma mãe.

A conclusão disso tudo é que as pessoas acabam creditando seus sucessos e insucessos  aos relacionamentos construídos ao longo de suas vidas.

Não que elas   acabam se vitimizando em relação aos outros  e culpando-os pelos seus próprios fracassos. Muito pelo contrário, queremos pontuar aqui  que os relacionamentos são parte de um importante processo na vida ,  pois há interações que estabelecemos que são parte   do sucesso de muitos.  Portanto, para cada realização nossa , podemos olhar para trás e perceber que se tornou em um relacionamento possível apesar das divergências.

Isto não significa que nós  conseguiremos manter ótimos relacionamentos com todos aqueles que nos rodeiam. Além disso, não podemos controlar as ações e reações dos outros. O importante é fazer de si o tipo de pessoa que as outras querem conhecer e com quem desejam construir um bom relacionamento.

Na vida, as habilidades que usamos no lidar com outras pessoas determinam nosso sucesso ou fracasso. Podemos ver a seguir alguns princípios pessoais  que nos ajudaram a construir relacionamentos saudáveis e eficazes.

  • Estamos prontos para nos relacionar com os outros?

Segundo Stanley C. Allyn , “A pessoa mais útil do mundo hoje em dia é o homem ou a mulher que sabe lidar com os outros. Relações Humanas é a ciência mais importante da vida.”

Hoje em dia, vivenciamos situações diversas de dificuldades das pessoas em seus relacionamentos  com pessoas de todos os tipos, idades e tamanhos.

Sabemos que nem todos possuem a habilidade de iniciar, construir e sustentar relacionamentos mais saudáveis.

São pessoas  que cresceram em um lar  conflituoso e nunca teve modelos positivos de relacionamento nos quais pudesse  ter como  bom  exemplo em sua vida. Algumas  estão mais centrada em si mesmas e em suas próprias necessidades que simplesmente ignoram a existência de outras, podemos notar isto quando saímos para pegar um transporte coletivo,  quando estamos em uma fila de  banco e surge um idoso que tem prioridade , os olhares se pronunciam em uma expressão de raiva por estar ali em pé esperando. A intolerância no trânsito e a violência são outros sinais de egocentrismo  de muitos.

Há aqueles que ficaram tão machucados com acontecimentos do passado que enxergam o mundo todo  através  de sua própria dor.  E por conta disso e outras partes sofridas de sua vida emocional, elas  não se conhecem , nem sabem como tratar o Outro e nem como se relacionar de maneira mais eficaz.

Vejamos alguns componentes essenciais que estão  inseridos nestes Princípios Pessoais:

1º Princípio : Quem você é determina o que você vê

Havia um homem que tinha nascido e vivido no Estado do Colorado, então mudou-se para o Texas e logo contruiu uma casa que tinha uma janela enorme, da qual podia contemplar centenas de milhas de terras vazias, prontas para cultivar e criar  animais. Quando lhe perguntaram se gostava daquele lugar, então   ele respondeu:

– O único  problema é que não tem nada para  se ver.

Nesta mesma época, um texano mudou-se para o Colorado e construiu uma casa com uma grande janela, da qual podia olhar as montanhas. Quando lhe perguntaram o que achou da vista, ele respondeu:

– O único problema com este lugar é que não dá para ver nada por causa dessas       montanhas  aí na frente.

Bem , esta história parece um pouco exagerada, mas também revela uma verdade: o que as pessoas veem é influenciado por aquilo que elas são. Pessoas na mesma sala olharão para as mesmas coisas e verão tudo de maneira bem diferente.

Cada um de nós tem  seu modo de pensar e ver as coisas. Cada um de nós tem seu jeito de ser, e é isso que dá o tom a tudo. Não são as coisas à nossa volta que determinam o que vemos, e sim o que há dentro de nós.

2° Princípio: Quem você é determina como você vê os outros

Certa vez uma viajante que se aproximava de uma grande cidade, avistou um velhinho que estava sentado à beira da estrada  e perguntou:

– Como são as pessoas desta cidade?

– Então o velhinho devolveu?

–  Como eram as pessoas  do lugar de onde veio?

– Horríveis – disse o viajante. –  Estas eram pessoas más, nada confiáveis , detestáveis em todos os sentidos.

Em seguida respondeu o velhinho:

– Ah ! Você  verá a mesma coisa aqui nesta cidade.

Assim que o viajante foi embora, outro parou para perguntar sobre a mesma cidade citada acima. Mais uma vez, o velhinho perguntou  para o segundo peregrino como eram as pessoas do lugar de onde vinha.

Este respondeu :

– Eram pessoas muito boas, honestas, trabalhadoras e bem generosas.  E completou : – Fiquei triste por deixá-las.

O velhinho respondeu prontamente:

– É exatamente o que você verá nas pessoas desta cidade.

Podemos concluir nesta história que a maneira da qual as pessoas veem  as outras é o a projeção delas mesmas, isto é o reflexo de si mesmas. Isto significa que, se sou uma pessoa confiável, verei as outras como confiáveis. Se sou crítico, acharei o mesmo dos outros. Se sou atencioso, para mim os outros  serão pessoas compassivas.

Todavia, sua personalidade vem à tona  quando você fala das outras pessoas e interage com elas. Alguém que não conhece você será  então capaz de dizer muito a seu respeito  e do que observa.

3° Princípio: Quem você é determina como você vê a vida

Certo dia ,um avô dormia no sofá quando seus netinhos resolveram pregar-lhe uma peça. Então foram até a cozinha, abriram a geladeira e pegaram um pedaço de queijo fedorento e esfregaram no bigode do idoso. Em seguida,esconderam-se num canto  para ver o que aconteceria. Depois de algum tempo, o nariz do avô começou a mexer e a cabeça, a sacudir. Finalmente, o velhinho sentou-se no sofá com uma cara de nojo e disse:

– Alguma coisa por aqui está fedendo!

Levantou-se, arrastou-se até a cozinha, deu uma cheirada longa e disse:

– Aqui dentro também está fedendo.

Àquela altura, decidiu sair e respirar ao fresco, mas quando inspirou profundamente, lá estava o cheiro ruim de novo.

Então exclamou e disse:

– O mundo inteiro está fedendo!

E aí, você que está acompanhando até agora , qual é a moral da história?

Pense um pouco e responda.

Pois bem, para uma pessoa que vive com um queijo fedorento embaixo do nariz, tudo cheira mal mesmo! A boa notícia para o avô é que ele pode limpar o bigode com sabão e água  e tudo voltará a cheirar bem de novo, mas para uma pessoa que tem algo podre dentro de si é muito mais difícil.

A única maneira de mudar o modo de ver a vida é transformando-se por dentro. Desejar mudar o seu interior é um grande passo para ajudá-lo a  ter relacionamentos saudáveis.

Segundo Eleanor Roosevelt “Ninguém pode fazer-nos sentir inferiores sem nosso consentimento”. Em outras palavras, utilizando uma citação do psicólogo e escritor Phil McGraw: “É você quem ensina como os outros devem tratá-lo”. Você ensina a partir da maneira como você vê a vida. E a maneira como vê a vida é resultado de quem você é.

Enfim, se você é capaz de pensar que o lugar que mais gosta é onde você está e fazer deste lugar o melhor  possível . Então isso é uma questão de escolha.Pois se você é capaz de manter uma perspectiva como essa, sempre  verá  a vida de maneira mais positiva.

4° Princípio: QUEM VOCÊ É, DETERMINA O QUE VOCÊ FAZ

Vou contar-lhes  uma história de um espantalho  que foi enviado para o galinheiro  para   botar ovos. Você deve estar pensando: “ que coisa mais esquisita, um espantalho botar ovos, onde já se viu? “. Mas prossiga para entender a moral desta no final. Ele trabalhava o dia inteiro, e em termos físicos, estava em sua melhor forma. Bem, cercado de galinhas botando ovos quase automaticamente, o espantalho tenta e insiste o quanto pode. No entanto, no fim do dia, exausto, este constata que fracassou em produzir ao menos um ovo. Estava bem chateado por apesar de tanto esforço não conseguiu nada.

Você então vai dizer: “ É claro  que ele não ia conseguir, pois ele não poderia botar  ovos.”

É muito óbvio  que quem bota ovos são aves  e as ovelhas produzem lã. É fácil entender  que as habilidades naturais afetam  aquilo que fazemos. Mas nossa maneira  de pensar  e nossas atitudes são parte de nós, assim  como nossas habilidades. Elas também determinam o que fazemos. Não  dá para separá-las  e se esperamos que os resultados contrastem com nossa personalidade, a tendência é a de que  nos sentiremos frustrados  diante disso.

Para finalizar essa  parte gostaria de mencionar as palavras do escritor Charlie Jones que são bem verdadeiras: “a diferença entre quem você é hoje  e quem você será daqui a cinco anos está nas pessoas  com quem você  passa mais tempo e nos livros que lê.”

A maneira de ver os outros é determinada pelo que você é. Não dá para fugir dessa realidade. Se alguém não gosta da gente, isso revela muito sobre essa  pessoa e sobre o modo como ela encara os relacionamentos pessoais. A questão na subjetividade de cada um. Portanto, não tente mudar os outros, mude primeiramente você em relação aos outros. Nem mesmo concentre neles, mantenha o foco em si. Se conseguir mudar  e se tornar o tipo de pessoa que deseja, começará a ver os outros sob novas lentes, e isso transformará a maneira de interagir em todos os seus relacionamentos.

Faça agora mesmo uma lista  das qualidades pessoais que gostaria de cultiva e coisas em você que desejaria mudar. Crie um plano de crescimento para desenvolver suas qualidades. Em Primeiro lugar, dedique tempo de sua agenda para estar com pessoas que possuam qualidades que você deseja. Depois, selecione um livro por mês cuja leitura  ajude em seu processo de crescimento pessoal. Lembre-se que as pessoas mais próximas podem influenciar e moldar você. Pois as pessoas que você escolhe para fazer laços sociais é quem mudarão seu jeito de ser. Portanto, a questão é que toda escolha tem um resultado, positivo ou negativo, então  a escolha é sua. Comece  já a fazer suas escolhas   de maneira a alcançar resultados satisfatórios a seus relacionamentos interpessoais .

Assim afirma Maxwell : “Nossa habilidade de construir e manter relacionamentos saudáveis é o fator mais importante para se sair bem em qualquer área da vida.”

“ Todos os sucessos  que alcançamos são resultado de relacionamentos iniciados com as pessoas  certas e , posteriormente , do fortalecimento desses laços  a  partir do uso da habilidade de se relacionar.”      

Webinar gratuito

Referência Bibliográfica:

MAXWELL, John C. Vencendo com as pessoas. Rio de Janeiro; Thomas  Nelson, 2007.

MCGRAW, Phil. The ultimate Weight Solution. Nova York: Free Press, 2003.

Esse texto foi útil para você? Leia também sobre o trabalho em equipe.

REJANE AMARAL DE SOUSA

Ser psicóloga não apenas ter um diploma em mãos, mas saber ter uma escuta precisa, uma alma e uma mente pronta a ouvir o outro, analisar, interpretar e interviradequadamente em se tratando de suas queixas, angústias, conflitos, ajudandoo paciente ater uma melhor compreensão de si, das pessoas e da vida .Trabalho com a psicoterapia psicanalítica e também atendo casos na terapia cognitiva. Faço atendimentos com jovens, adultos e idosos em consultório por 7 anos consecutivos e atendimentos online.Trabalho com ética, dedicação, cautela, sigilo e compromisso com o paciente.
Experiências em transtornos de ansiedade, estresse, fobia social, depressão , transtornos alimentares , transtorno de estresse pós traumaticos, transtorno bipolar e outros. Atualizações em cursos , seminários e congressospara resultados eficazes na clínica.
REJANE AMARAL DE SOUSA

9 thoughts on “Como vencer as divergências em relacionamento interpessoal

  1. Eu sou do tipo que exijo das pessoas com as quais convivo, um comportamento padronizado.Ou seja de acordo com a idéia que faço de certo e errado. E cobro o tempo todo. Resultado estou sempre brigando. Pena! Pois dificilmente temos uma relação tranquila
    Porém é complicado porque hoje na atualidade só temos neuróticos, não temos pessoas confiáveis. Em todos seguimentos da sociedade. Certa vez na fala de uma psicóloga ela dizia que se uma mãe é neurótica a tendência é que pessoas que convivem com ela venha a sofrer do mesmo mal.

    1. Olá, Júlia Maria entendo sim o seu ponto de vista. Mas olhe ninguém vai ser e pensar como cada um pensa. Pode-se chegar a um senso comum. Mas cada um tem tem um jeito de ser , assim como você. Ninguém muda ninguém. Ai o que é interessante , quando você diz de que deseja que os outros sejam como você e porque nós somos assim mesmo como seres humanos queremos que o outro seja e faça o que queremos e como desejamos, mas aí que está as diferenças de opiniões é que acrescentam e nos ajuda a crescer. Para você evitar de brigar pense que você agindo do seu jeito sem querer mudar o outro, com sua forma de falar diferenciada e de agir é que você pode influenciar outros a refletirem sobre seus pensamentos e comportamentos. O ambiente é um dos fatores que interfere em uma relação. Mas saiba que a pessoa pode influenciar e mudar o ambiente se ela quiser de forma mais positiva. Mas pense em também rever algumas formas rigídas de pensar e comportar em seus relacionamentos, de repente você vai ver que a mudança precisa começar não no outro , mas em nós mesmos. Compreendo o que você diz. Mas tente começar refletir de forma diferente a cerca das coisas e pessoas. Espero ter lhe ajudado.Abraço Rejane Psicóloga.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *