síndrome do pânico

Síndrome do Pânico: saiba como a psicoterapia pode ajudar!

A Síndrome do Pânico ou Transtorno do Pânico, caracteriza-se como um ataque agudo de ansiedade, cujos principais sintomas são:

  • Palpitação cardíaca;
  • Sudorese (suor excessivo);
  • Sensação de asfixia (falta de ar);
  • Dor forte no peito;
  • Sensação/ medo de ficar louco;
  • Pensamentos obsessivos;
  • Medos irracionais incontroláveis;
  • Vontade de sair correndo.

O Pânico além de causar muito sofrimento, gera também no indivíduo uma sensação de descontrole do corpo e de si mesmo. Uma das principais complicações decorrentes disso é o medo de ter uma crise sozinho sem ter alguém para socorrer.

Em decorrência disso, a pessoa não consegue mais sair de casa sozinha, às vezes, não consegue mais ir ao trabalho ou escola e/ou desfrutar de momentos de lazer. Portanto, a doença pode causar muitos danos à vida social e em alguns casos, chega ao ponto de paralisar a vida da pessoa.  

 A Síndrome do Pânico pode ser tratada sem medicação?

Sim, é possível tratar a Síndrome do Pânico sem o uso da medicação! 

Sendo a Síndrome do Pânico uma crise de Ansiedade Aguda, num primeiro momento, trabalhamos no acolhimento desse sofrimento, tentando minimizar os desconfortos desta doença.

Nas sessões de análise, o paciente será convidado a falar de suas angústias, medos, expectativas, dúvidas, dificuldades, raiva, inveja, fracassos, frustrações, decepções, o medo de enlouquecer, de perder o controle, medo de decepcionar as pessoas, enfim, de seus sentimentos e pensamentos sem se sentir julgado por isso.

No entanto, cada caso deve ser cuidadosamente avaliado pelo profissional, podendo haver situações em que o uso da medicação seja importante.

Tudo isso é discutido com o próprio paciente; se ainda assim, não for de sua vontade, ele (o paciente) não será obrigado a aderir à terapia medicamentosa.

Como a Psicoterapia pode ajudar no tratamento da Síndrome do Pânico?

 Ao longo do processo de análise, o paciente vai entrando em contato com sua própria história, seu modo de lidar com as dificuldades, com a frustração e decepção, com a raiva, como se relaciona com as pessoas, com as expectativas dos outros, com suas próprias expectativas, a maneira que faz escolhas, como chegou nas suas conquistas e fracassos, enfim, o modo como tem vivido suas experiências.

Esses são alguns dos temas discutidos, e a partir de questionamentos e reflexões, o paciente vai ganhando maior compreensão de si e do mundo ao seu redor, e assim, pode gerenciar melhor todas essas dificuldades que o levou a buscar terapia.

Ao gerenciar melhor suas dificuldades, a pessoa se sente mais capacitada a construir uma vida mais saudável e satisfatória para si mesma naquilo que se aproxima de suas realizações pessoais desejadas.​

Érica Otsubo Otsubo

Sou Psicóloga, Psicanalista (e engenheira) com mais de 13 anos de experiência clínica! Com larga experiência em atendimento de casos de Transtornos de Ansiedade, Depressão, Transtorno de Ansiedade Social e Síndrome do Pânico. Minha primeira formação foi em Engenharia da Computação. Me formei e trabalhei na área por 4 anos, mas, nunca gostei, então desisti para fazer o que descobri ser minha paixão: cuidar das pessoas em sofrimento psíquico! Foi assim que me tornei psicóloga psicanalista. Durante os atendimentos, procuro acolher a dor e o sofrimento do paciente, oferecendo uma escuta empática, isenta de qualquer tipo de julgamento. Convido o paciente a formar uma parceria comigo para trabalharmos juntos na compreensão do seu sofrimento, de como ele chegou até ali e também, buscamos construir novas formas de enfrentamento desses problemas. Vale lembrar que o paciente está protegido pelo código de ética do psicólogo, me preocupo em preservar o sigilo e a privacidade de cada paciente. "Só existem dois dias do ano em que nada pode ser feito. Um se chama ontem e o outro se chama amanhã, portanto hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver." Dalai Lama
Érica Otsubo Otsubo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *