Síndrome do pânico: saiba no que ficar de olho

Mulher com sintoma de síndrome do pânico

Já sentiu seu coração disparar de repente e a visão ficar turva? Começou a suar e, ao mesmo tempo, sentiu ondas de frio e de calor? Nesse momento, você sentiu, então, que iria morrer? Se a resposta for “sim”, tome cuidado, pois você pode estar sofrendo de síndrome do pânico.

A síndrome do pânico é mais comum do que você imagina. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), de 2 a 4% da população mundial sofre com esse problema.

Deseja saber do que se trata essa patologia e quais cuidados devem ser tomados? Então, continue a leitura!

O que é a síndrome do pânico?

Em poucas palavras: trata-se de uma crise de medo repentina e inesperada — e desesperadora para quem a sente.

Durante a crise, a pessoa pensa que vai morrer. Ela acredita que está tendo um ataque cardíaco, uma vez que o coração dispara, surge sudorese e falta de ar. E o medo aumenta a descarga de adrenalina, reforçando o pânico.

Os sintomas, por si, são normais e naturais. Inicia-se a reação de estresse para a sobrevivência, como, por exemplo, quando você é atacado por uma fera e precisa escapar. A reação do organismo está correta. Somos programados para isso. Na síndrome do pânico, no entanto, a reação se inicia diante de uma ameaça que não existe. É isso que caracteriza o distúrbio.

Estatisticamente, ocorre mais entre as mulheres e jovens, de 15 a 20 anos de idade. Mas não se restringe a apenas esses grupos.

Quais são os sintomas mais comuns?

Os sintomas provocados pela síndrome do pânico podem ser tão variados quanto estranhos.

A crise extrema de ansiedade, com descargas de adrenalina na corrente sanguínea, faz com que cada indivíduo apresente um quadro sintomático diverso. De modo geral, porém, alguns sintomas mais comuns são:

  • Preocupação excessiva;
  • Medo generalizado;
  • Pensamentos negativos;
  • Taquicardia;
  • Aperto no peito;
  • Falta de ar;
  • Dor de barriga;
  • Sudorese;
  • Ondas de calor e de frio;
  • Tontura;
  • Tremedeira;
  • Visão turvada.

 

O que é ansiedade antecipatória?

As crises surgem de modo aleatório e a permanente expectativa de uma nova ocorrência cria a chamada ansiedade antecipatória. A pessoa se preocupa com a possibilidade de sofrer um ataque de pânico em um local onde não encontre uma saída ou a ajuda de alguém — como elevador, salas de espera e interior de meios de transporte. Começam, assim, a se desenvolver os primeiros sinais de estresse.

Em razão disso, quem sofre da síndrome do pânico acaba desenvolvendo algum grau de agorafobia, que é o medo de estar em determinados lugares ou situações que possam desencadear o ataque.

A necessidade de evitar tais lugares e circunstâncias acaba fazendo com que o indivíduo deixe de frequentá-los e se inicia, então, um processo de isolamento. Há sérias perdas de qualidade de vida, não só pela ansiedade, mas também pelo afastamento de sua vida de relações.

Como tratar a síndrome do pânico?

Antes de começar a fazer experiências mirabolantes, procure uma orientação profissional. Uma assistência psicológica pode ser o primeiro passo para o tratamento que conduzirá à solução definitiva.

Prepare-se para levar algumas informações importantes para a primeira consulta com o psicólogo. Ele será o seu grande aliado. Reflita:

  • Que sintomas aparecem?
  • Quando foi a primeira vez?
  • Qual a periodicidade?
  • Existem lugares ou situações específicas?
  • Houve eventos traumáticos em sua vida de que se lembre?
  • O medo de um novo ataque tem atrapalhado sua vida?

Estas e outras questões vão auxiliar o profissional a orientá-lo adequadamente em relação às iniciativas que deverão ser tomadas.

Possui outras dúvidas relacionadas à síndrome do pânico? Deixe aqui o seu comentário! E leia também o nosso post com alguns sinais de que você está entrando em depressão.

"Síndrome do pânico: saiba no que ficar de olho", 5 out of 5 based on 1 ratings.
0
Psicologia Viva

Psicologia Viva

Selecionamos o psicólogo adequado para a sua necessidade e possibilitamos você ter uma consulta online por videoconferência de qualquer lugar do mundo.
Psicologia Viva

Psicologia Viva

Selecionamos o psicólogo adequado para a sua necessidade e possibilitamos você ter uma consulta online por videoconferência de qualquer lugar do mundo.

2 thoughts on “Síndrome do pânico: saiba no que ficar de olho

  1. Eu tive síndrome do pânico. Eu sentia tudo isso, horrível! Parece que vamos morrer. Nada melhor do que procurar ajuda, o mais rápido o possível ao médico

Deixe uma resposta