sofrimento, estresse, bunout

Do sofrimento ao estresse até a Síndrome de Burnout

Considerando que as pessoas passam a maior parte de sua existência no trabalho, e que lhes atribuem uma significação psicossocial, o trabalho deveria ser um dos aspectos mais relevantes da vida pessoal.

O trabalho é uma atividade humana que envolve o homem como um todo, sua dimensão física, psíquica e social, exercendo grande importância na construção da subjetividade humana.

Exige das pessoas atividades óbvias, convivência com colegas e supervisores, requer obediência às regras e políticas organizacionais, indica padrões de desempenho, coloca a aceitação de condições de trabalho geralmente abaixo do ideal e muito mais.

O trabalho pode ser compreendido como algo ambivalente. Pode dar origem a processos de alienação e de descompensação psíquica ou pode ser fonte de saúde e instrumento de emancipação.

Adoecimento mental no trabalho

Surge quando o trabalho não é desenvolvido como uma possibilidade de prazer. A pessoa acaba trabalhando por necessidade e isso vai gerando sofrimento e possibilidades de adoecimento.

Podem haver inúmeros fatores decisivos na precarização da saúde do trabalhador: a intensidade e o ritmo acelerado no trabalho, a mecanização e robotização de tarefas com pouca variabilidade, as pressões e imposições da organização e/ou chefes, a adaptação à cultura ou a ideologia organizacional, as relações interpessoais com clientes e colegas, a criação de incompetências, etc.

Os primeiros sinais geralmente são imperceptíveis. A pessoa vai tendo internamente dificuldades, angústias, frustrações, desentendimentos… e aí os conflitos aparecem em suas diferentes maneiras; o desempenho e produtividade vão diminuindo gradativamente.

Esse trabalho, portanto, vai ganhando um sentido penoso, causando mal-estar, colaborando ou desencadeando um conjunto de indicadores de sofrimento que ao terem uma  presença concomitante, frequente e intensa, podem fazer surgir uma doença ocupacional pelo adoecimento mental.

Sofrimento

Sua origem pode ser diversificada. O trabalhador significa que é incapaz de enfrentar situações convencionais, inabituais ou erradas. É frequente o desgaste psíquico ou físico (sentimento de cansaço, desânimo, ansiedade, frustração, tensão emocional, sobrecarga) e o sentimento de insegurança (incompetência diante das pressões para atender as exigências relacionadas ao desempenho e a produtividade).

Estresse

É um conjunto de coisas que o organismo desenvolve ao ser submetido a uma situação prolongada que exige esforço para adaptação. É vivido como uma incapacidade de adaptação que gera desequilíbrio entre exigência e capacidade.

Geralmente o trabalhador não percebe a intensa carga emocional que recebe, entrando num estado de confusão mental. Há um descontrole das funções normais do seu organismo.

Se o equilíbrio for alcançado, será obtido o bem-estar, se não for, ocasionará diferentes graus de incerteza, conflitos, e sensação de desamparo que vão agravando os prejuízos na saúde.

Síndrome de Burnout

Surge como um estágio mais avançado do estresse ocupacional que pode ocorrer em pessoas que mantém relação de exigência frequente com outras pessoas. O termo é a junção das palavras inglesas Burn = queima e out = exterior.

As principais características que os profissionais desenvolvem são:

  • Frequentemente são altruístas (dedicam-se ao próximo), são idealistas e perfeccionistas;
  • Têm falta de perspectiva;
  • Adiam projetos;
  • Têm humor inconstante e não se percebe algum desenvolvimento profissional.

Os principais sintomas são:

Físicos:

  • Fadiga crônica;
  • Dores de cabeça;
  • Mal-estar;
  • Distúrbios do sono;
  • Úlceras digestivas;
  • Taquiarritmias;
  • Hipertensão arterial;
  • Dores musculares e de coluna;
  • Alergias;
  • etc.

Psicológicos:

  • Perda da realização pessoal;
  • Esgotamento emocional;
  • Redução de aspectos emocionais;
  • Autoavaliação negativa;
  • Sensação de fracasso;
  • Irritabilidade;
  • Baixa tolerância à frustração;
  • Inquietude;
  • Impotência;
  • Baixa autoestima;
  • Progressiva perda de energia;
  • Desmotivação;
  • Ansiedade;
  • Pouca compreensão com os outros;
  • Falta de concentração;
  • Depressão e insegurança;

Relacionados à conduta:

  • Desenvolvimento de atitudes negativas como insensibilidade e cinismo;
  • Despersonalização;
  • Comportamento paranóide e/ou agressivo;
  • Aumento do consumo de café, álcool, fármacos e drogas ilegais;
  • Baixo rendimento pessoal;
  • Distanciamento afetivo;
  • Aborrecimentos constantes;
  • Certa desestabilização do sentimento de pertencimento a grupos sociais;
  • Falta de realização pessoal no trabalho, prejudicando no cumprimento de suas atribuições.

Se você está inicialmente desenvolvendo esses sofrimento ou já tem características de adoecimento mental o aconselhável é que procure ajuda. Procure equipes de saúde no seu local de trabalho, caso exista, ou de fora do trabalho, mas busque por profissionais da psicologia capacitados para avaliar e tratar os seus sinais e sintomas.

Gisele Maraschin

Atuo desde 2007 e ser psicóloga é poder desfrutar da paixão e admiração que tenho pelo ser humano. É poder ajudar alguém nem que seja só por uma escuta confiável. É poder compreender e fazer o outro se compreender melhor para fazer boas escolhas. Ser psicóloga é uma mistura de satisfação e gratidão!
Gisele Maraschin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *