Violência doméstica entre personagens de novela

Violência Doméstica – Uma reflexão sobre o caso Domingas e Juca

Algumas obras de ficção cumprem a finalidade de trazer a discussão de temas importantes para a sociedade como a violência doméstica.

Um dos temas discutidos na novela global, assistida por milhões de pessoas no horário das 9 h trata da violência doméstica vivida pela personagem Domingas, mulher simples que é casada com um homem rude que a maltrata, humilha, explora e agride fisicamente. Por mais absurdas que sejam as agressões, a mulher se submete a elas e até implora para que ele não a abandone, aceitando os maiores sofrimentos.

A pergunta óbvia é por quê ela suporta tudo isto, e continua cedendo às suas chantagens, mesmo depois de separada dele e vivendo outro relacionamento? O que leva uma pessoa a tanta humilhação, sofrimento e passividade?Violência doméstica entre Juca e Domingas

Será que a violência doméstica acontece na vida real?

A resposta é sim! Acontece muito frequentemente, e a maioria das pessoas é capaz de identificar dentre os seus familiares, amigos e conhecidos algum casal que funciona mais ou menos assim. Normalmente as pessoas pensam:

Como pode alguém continuar mantendo um relacionamento onde a tônica é a desqualificação do outro, seja na intimidade ou publicamente?

Olhos com lágrimas de uma mulherComo pode alguém aceitar viver neste sofrimento sem um movimento para se libertar, entrelaçando-se cada ver mais nesta relação tóxica?

Existem algumas razões objetivas como o medo de enfrentar uma separação, dependência financeira, filhos pequenos, enfim várias razões importantes que têm que ser consideradas em toda tomada de decisão. Porém o que mais mantém uma situação destas é a dependência emocional e os perfis psicológicos complementares. Neste caso, estes perfis se complementam fazendo com que algoz e vítima se encaixam perfeitamente.Mãe e filha se abraçando

O que faz com que uma pessoa tenha uma personalidade submissa ou dominadora?

Quando a personalidade está se formando, ainda na primeira infância, muitas crenças são introduzidas na estrutura psíquica da pessoa, e estas crenças são absorvidas de acordo com padrões do temperamento do indivíduo.

O resultado é o que pode ser chamado de estrutura da personalidade, e o caráter é a forma como esta personalidade se manifesta na vida da pessoa e nas suas relações com o mundo.

Resumindo: temperamento (inato) + primeiras vivências e crenças absorvidas = personalidade

manifestação da personalidade nas relações com o mundo = caráter

As crenças principais de uma pessoa são normalmente muito arraigadas na sua personalidade, e elas fazem com que ele tenha na sua vida um repertório de ações limitado e repetitivo.

Como isto acontece?

Se uma pessoa que acredita fortemente que não é merecedora de amor, que é incompetente na vida e que precisa de um marido/mulher para que possa sobreviver provavelmente desenvolverá uma personalidade submissa e extremamente tolerante.

Cartoon de um casal de jovens conversando

Se uma pessoa que acredita fortemente que só se consegue respeito pela força e violência, que o seu espaço só existirá se ele for superior às pessoas com que ele se relaciona, provavelmente desenvolverá uma personalidade dominadora e agressiva.

Como uma pessoa pode mudar este padrão de comportamento?

Estas peças complementares muitas vezes se atraem para formar um todo estável, perpetuando o relacionamento tóxico sem que nenhuma das partes consiga se libertar, até que possa haver uma conscientização do processo que leva as pessoas a esta situação.

A partir desta consciência o indivíduo pode rever e reestruturar suas crenças, e voluntariamente mudar a forma como leva a vida, escolhendo um caminho diferente e reescrevendo sua história, com toda autonomia para mudar o enredo.

Luciana Lemos

Psicóloga clínica com formação em Psicanálise; Psicologia Sistêmica e Terapia Cognitiva - Diretora e Coordenadora Pedagógica do Ciclo CEAP - Centro de Estudos Avançados de Psicologia.

One thought on “Violência Doméstica – Uma reflexão sobre o caso Domingas e Juca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *